Gêneros
Administração
Artes
Biografia/ Memória
Chick Lit
Ciências
Ciências Sociais
Cinema
Contos/ Crônicas
Culinária
Desenvolvimento pessoal
Desenvolvimento profissional
Economia
Educação
Ensaio/ Teoria literária
Entretenimento
Esoterismo
Espiritualidade
Filosofia
Geografia
Guerra
Guia
História
Infantil
Jovem Adulto
Juvenil
Literatura
Negócios
Obras de referência
Pensamento
Poesia
Policial
Política
Psicologia/ Psicanálise
Quadrinhos
Qualidade de vida
Relacionamento
Religião
Reportagem
Romance brasileiro
Romance estrangeiro
Romance histórico
Suspense
Teatro
Thriller
Viagem/ Aventura
Coleções
Autores
Tenha acesso a
conteúdos exclusivos.

leitor
livreiro
professor

Email:
Senha:
Lembrar senha
Beatriz Cardoso (org.) Home > Autores > Beatriz Cardoso (org.)
Entrevista - Ensinar: Tarefa para profissionais

Ensinar: Tarefa para profissionais é fruto de um árduo trabalho. Ele traz resultados do Programa Escola que Vale, uma parceria que existe desde 1999 entre a Fundação Vale do Rio Doce, o Centro de Educação e Documentação Comunitária (Cedac) e diferentes Secretarias Municipais de Educação, que hoje está presente em 23 cidades e tem como foco a formação de profissionais de educação. Mas o livro está longe de ser apenas o relato de uma experiência bem sucedida. Pelo contrário — Ensinar: Tarefa para profissionais vai muito além e difunde os conhecimentos adquiridos e sistematizados a partir da tal experiência bem sucedida. Organizado por Beatriz Cardoso, Delia Lerner, Neide Nogueira e Tereza Perez, o livro tem como recorte a formação de professores, uma das vertentes do Programa Escola que Vale. Beatriz Cardoso, educadora desde 1978 e doutora em educação pela USP, explica que as autoras do livro "têm origem na sala de aula" e que acreditam que a reflexão sobre a prática é fundamental.

Como foi o trabalho de compilação dos textos que compõem o livro?
 
Foi trabalhoso encontrar o caminho adequado. Nossa idéia era colocar uma experiência concreta, o Programa Escola que Vale, à disposição para, a partir dela, produzir conhecimento pedagógico. Então, o manuseio de tanto material, relatos e relatórios demorou bastante. O "Escola que Vale" hoje está presente em 23 municípios e é voltado para a formação de profissionais de educação. Trabalhamos com a formação de diretores, de equipes técnicas de secretarias, de formadores, entre outros. Mas, para o livro, tivemos que fazer um recorte e nos debruçamos sobre a formação de professores. A produção em si durou em torno de um ano e meio. Nosso maior receio era que não tínhamos, como objetivo, apenas contar uma experiência bem-sucedida, não queríamos fazer marketing a partir do sucesso. Queríamos, sim, produzir um material que servisse para formadores de professores e outros profissionais da educação.  
 
Qual é a importância da formação continuada de professores, sobre a qual vocês se debruçam?
 
Acreditamos que a formação continuada dos profissionais da educação é uma das frentes mais importantes para a superação do quadro educacional atual. É fundamental ter instâncias de aprendizagem permanente, reflexão sobre a própria prática, o estudo e a atualização.
 
Os programas de formação inicial de professores, de modo geral, deixam a desejar? O que faz um programa de formação de professores de ensino básico ser eficaz?
 
É complicado dar uma resposta genérica. Existem bons e maus cursos, existem problemas associados aos currículos, ao conhecimento da didática propriamente dita, enfim são muitos fatores. O que na nossa opinião faz a diferença é criar um contexto de formação vinculado ao trabalho real, que desenvolva a cultura do estudo e da reflexão sobre a própria prática.
 
O livro, em um primeiro momento, trata da profissionalização do professor. O professor hoje não consegue se enxergar como um profissional?
 
Não é que o professor não consiga se enxergar como um profissional, porque, de fato, ele é um. Nossa intenção era valorizar a função e chamar atenção para o fato de que esta não é uma tarefa ordinária. Não é qualquer um que, apenas por gostar de criança, pode ser professor. Trata-se de todo um campo de conhecimento. O professor é um profissional, quer queira ou não, ele passa por um concurso, é contratado... Está dentro de um sistema para executar um papel. Mas o professor vem sendo desvalorizado e isso, claro, pode ser percebido através de seu salário, de sua formação empobrecida etc. Nós achamos necessário trabalhar nos sistemas públicos para criar essa identidade profissional. Não mexemos nos salários dos professores com os quais trabalhamos, mas temos como foco deixar claro para as secretarias que esses profissionais precisam de hora para estudar, para planejar suas aulas, para produzirem material. 
 
Por que é importante o professor se enxergar como um profissional?
 
Isso faz toda a diferença. A primeira delas é que ele passa a se comprometer e a se responsabilizar por sua tarefa. É uma profissão que implica na constituição de um repertório e assim deve ser tratada.
 
O livro também dá grande importância ao ensino e à prática da leitura e da escrita. Por que esses assuntos mereceram tanto espaço em Ensinar: tarefa para profissionais?
 
O destaque se deve em função dos índices nacionais. A leitura e a escrita são o conteúdo central, que atravessará toda a escolaridade e definirá, em grande medida, a capacidade do sujeito frente aos outros componentes curriculares. 
 
Em determinado trecho, o livro trata também não só da formação de professores, mas da formação do formador de professores. Qual é a avaliação da atuação deste profissional?
 
Este quadro é central num sistema de ensino, pois é ele que mantém a engrenagem funcionando. É preciso haver um quadro qualificado de formadores de professores para que esta cultura profissional seja mantida. Tratamos do assunto no último capítulo do livro e ele pode ser considerado apenas um "aperitivo". Optamos por fazer um livro sobre formação de professores, mas sabemos que isso não existe sem todo o resto da estrutura. Tem que haver um bom quadro de formadores, por exemplo. Mas só esse assunto já daria um outro livro inteiro. Os formadores de professores existem nas escolas, mas, normalmente, como supervisores ou orientadores. Assim, estão incumbidos de outras funções e o seu papel acaba sendo pouco pedagógico. Este capítulo serve para mostrar que as coisas não existem de forma independente: é necessário existir um bom quadro de formação de formadores, para que a formação de professores seja bem-sucedida. 
 
Quais são, enfim, as maiores contribuições que o livro traz para os profissionais da educação?
 
Nossa idéia era que a publicação fosse um material útil principalmente para alunos de pedagogia e formadores de professores. É dedicado aos que vão assumir a tarefa de formar professores. Ele não é tanto um livro para o professor, apesar de também poder ser bem aproveitado por esses profissionais. Acredito que entre as principais contribuições que ele traz está a noção de que é possível trabalhar em grupo, estudar e aprender sobre o processo de aprendizagem, sobre os objetos de ensino e sobre o como ensinar. Além disso, ele aporta caminhos possíveis para que os programas de formação alcancem resultados. 



Ensinar: Tarefa para profissionais
Beatriz Cardoso (org.)
R$ 50,00

ver todos os livros

Cem anos de solidão com novo projeto gráfico
Saiba mais

Livro de Andre Dubus III vai virar filme
3/5/2013
Saiba mais

Neta de Dorival Caymmi lança livro O QUE É QUE A BAIANA TEM?
Rio de Janeiro/RJ
30/4/2013
Saiba mais

José Castello participa da nova edição do “Prosa nas livrarias”
Rio de Janeiro /RJ
1/4/2013
Saiba mais