Gêneros
Administração
Artes
Astrologia
Biografia/ Memória
Chick Lit
Ciências
Ciências Políticas
Ciências Sociais
Cinema
Contos/ Crônicas
Culinária
Desenvolvimento pessoal
Desenvolvimento profissional
Economia
Educação
Ensaio/ Teoria literária
Entretenimento
Esoterismo
Espiritualidade
Filosofia
Geografia
Guerra
Guia
História
Infantil
Jovem Adulto
Juvenil
Literatura
Negócios
Obras de referência
Pensamento
Poesia
Policial
Política
Psicologia/ Psicanálise
Quadrinhos
Qualidade de vida
Relacionamento
Religião
Reportagem
Romance brasileiro
Romance estrangeiro
Romance histórico
Suspense
Teatro
Thriller
Viagem/ Aventura
Coleções
Autores
Tenha acesso a
conteúdos exclusivos.

leitor
livreiro
professor

Email:
Senha:
Lembrar senha
Walter Galvani Home > Autores > Walter Galvani

Walter Galvani nasceu em Canoas, cidade da região metropolitana de Porto Alegre, estado do Rio Grande do Sul, Brasil, a 6 de maio de 1934. Em sua cidade, no Externato São Luiz, assim denominado então, do Centro Educacional La Salle, fez seus estudos iniciais. Despertou para a literatura e para o jornalismo ainda nos bancos escolares, nos tempos do velho ginásio. Iniciou sua carreira jornalística em 1954, também em Canoas, no jornal Expressão, que ajudou a fundar, completando este ano portanto, 46 anos de jornalismo. Está há 45 anos na Empresa Jornalística Caldas Jr., onde começou como repórter esportivo no "Correio do Povo". Estreou em livro em 1970 com "Brasil por linhas tortas", crônicas. Seguiram-se "Informação ou Morte"(1973), ensaio jornalístico, "Andanças e contradanças" (1975) crônicas, "A Noite do Quebra-Quebra"( 1993), novela, "Um Século de Poder - os bastidores da Caldas Júnior" (1994) ensaio histórico jornalístico, "Olha a Folha - amor, traição e morte de um jornal" (1996) ensaio histórico jornalístico e culminando com o seu mais recente trabalho, preparado especialmente para as comemorações dos 500 anos do Brasil, "Nau Capitânia- Pedro Álvares Cabral - como e com quem começamos" (1999) biografia do descobridor do Brasil, editado pela Record (Rio de Janeiro). Ingressou no jornalismo em sua terra natal, no jornal "Expressão" em 54, quando iniciou uma carreira que perdura até hoje, na Rádio Guaíba, onde apresenta um programa cultural diário, depois de passar por vários veículos de comunicação social da capital do Rio Grande do Sul, como o "Correio do Povo", a "Folha da Manhã", "Folha Esportiva", a "Folha da Tarde", da qual foi o último diretor e a "Revista do Globo". Além do programa radiofônico, colabora com diversos jornais gaúchos, entre esses o "Diário de Canoas" e o "ABC Domingo". Sua formação é de autodidata, embora tenha cumprido inúmeros cursos de aperfeiçoamento em jornalismo e em línguas, como inglês, espanhol e italiano. Ganhador de vários prêmios regionais em jornalismo, inclusive o Prêmio ARI de Crônicas, passou a dedicar-se à pesquisa histórica a partir dos anos noventa. Em 1999, foi eleito para a Cadeira de número 25 da Academia Rio-Grandense de Letras. Depois de longa pesquisa bibliográfica feita ainda no Brasil durante quatro anos e meio, transferiu-se em 1998 para a Europa, onde passou seis meses investigando nos arquivos e bibliotecas de Portugal, Espanha, França e Itália, em busca das fontes primárias para produzir seu último livro ("Nau Capitânia") e preparar-se para artigos, crônicas, palestras e debates em torno ao período histórico em que se deu a descoberta do Brasil. No dia 21 de março de 2000, recebeu da Câmara de Vereadores de Porto Alegre, o Prêmio Literário "Erico Veríssimo", pelo conjunto de sua obra, mas sobretudo pela "Nau Capitânia". Este prêmio foi outorgado em edições anteriores a Liberato Vieira da Cunha, Luiz Fernando Veríssimo, Moacyr Scliar e Marta Medeiros. O livro "Nau Capitânia - Pedro Álvares Cabral, como e com quem começamos" foi contemplado com o Prêmio Clio de História do Brasil, conferido pela Academia Paulistana da História em reconhecimento ao seu alto valor e contribuição original. Em novembro de 2000, o livro "Nau Capitânia" foi premiado pela Academia Carioca de Letras e União Brasileira de Escritores, com o Prêmio "Jônatas Serrano" - Especial do Júri - História. No dia primeiro de fevereiro de 2001, o Instituto Casa de Las Americas, de Havana, Cuba, premiou o livro "Nau Capitânia - Pedro Álvares Cabral, como e com quem começamos" como o maior destaque em "Literatura Brasileira", com o Prêmio Casa de Las Americas.



ANACOLUTO DO PRINCÍPIO AO FIM
Walter Galvani
R$ 57,90

ver todos os livros

Autor Carlos Minuano participa do talk show 'The Noite com Danilo Gentili'
13/07/2018
Saiba mais

Jornalista inclui canal 'Alexandrismos' em sua lista de favoritos
Alexandra Gurgel é citada como 'influenciadora do bem' por jornalista
09/07/2018
Saiba mais

Novo livro de Fabricio Carpinejar entra para a lista de mais vendidos da Veja
04/06/2018
Saiba mais

Contos de Nei Lopes são tema de curso no Centro Afrocarioca de Cinema
Saiba mais