Gêneros
Administração
Artes
Astrologia
Biografia/ Memória
Chick Lit
Ciências
Ciências Políticas
Ciências Sociais
Cinema
Contos/ Crônicas
Culinária
Desenvolvimento pessoal
Desenvolvimento profissional
Economia
Educação
Ensaio/ Teoria literária
Entretenimento
Esoterismo
Espiritualidade
Filosofia
Geografia
Guerra
Guia
História
Infantil
Jovem Adulto
Juvenil
Literatura
Negócios
Obras de referência
Pensamento
Poesia
Policial
Política
Psicologia/ Psicanálise
Quadrinhos
Qualidade de vida
Relacionamento
Religião
Reportagem
Romance brasileiro
Romance estrangeiro
Romance histórico
Suspense
Teatro
Thriller
Viagem/ Aventura
Coleções
Autores
Tenha acesso a
conteúdos exclusivos.

leitor
livreiro
professor

Email:
Senha:
Lembrar senha
Filosofia Home > Filosofia > Depois da religião
Depois da religião
Autor: Marcel Ferry, Luc e Gauchet
EAN: 9788574320823
Gênero: Filosofia
Páginas: 108
Formato: 14 x 21 cm
Editora: Difel
Preço: R$ 47,90
   

Vivemos a “morte de Deus”, constatada por Nietzsche há mais de um século, ou, ao contrário, o retorno do religioso? A questão não cessa de se colocar. Por um lado, as Igrejas e os dogmas enfraquecem em proveito de crenças mais pessoais, “à la carte”, dizem alguns. Por outro, os integrismos e outros fundamentalismos de todo gênero nunca se comportaram tão bem. Como se situar entre tendências tão contraditórias? Em Depois da religião, um debate inédito em livro, os filósofos Luc Ferry – autor dos essenciais O homem-Deus e O que é uma vida bem-sucedida?, – e Marcel Gauchet esclarecem nossa perplexidade e seu desacordo por meio de uma discussão densa, sem polêmica nem concessões.
 Para Luc Ferry, a época contemporânea caracteriza-se pelo cruzamento de dois processos: por um lado, o que ele chama de “humanização do divino”, ou seja, o fato de que toda história cultural moderna consiste na tradução dos conteúdos teóricos e práticos da religião na linguagem do humanismo, ou, dito de outra forma, com o indivíduo posto como valor cardinal. Por outro lado, a “divinização do humano”, isto é, o fato de que no âmago desse individualismo autônomo – condição do homem moderno – reemerge a transcendência não mais vertical (entre os homens e o além), mas horizontal (entre os próprios homens). É esse duplo processo que faria do humanismo contemporâneo um humanismo do homem-Deus.
 Marcel Gauchet, por sua vez, persiste na idéia de que vivemos a época de uma separação entre o homem e Deus que não cessa de se ampliar. É esta separação que teria atingido atualmente sua amplitude máxima, de tal forma que o humanismo contemporâneo, que deveria ser pensado ou inventado em nossos dias, não seria aquele do homem-Deus, mas, ao contrário, aquele do homem sem Deus e do homem definitiva e irrevogavelmente sem Deus.
 Como pensar o fenômeno religioso depois da saída da religião? Será necessário ver no âmago da idade laica uma persistência do sagrado? Estará o mundo destinado ao desencantamento ou prometido a um reencantamento? A partir dessas perguntas, Ferry e Gauchet iniciam um debate fecundo e contribuem com suas idéias para uma das discussões mais polêmicas deste começo de século.

Marcel Ferry, Luc e Gauchet

Luc Ferry, nascido em 1951, é filósofo e tem mais de 15 livros ...



Quadros de guerra: Quando a vida é passível de luto?
Judith Butler
R$ 59,90

Se só me restasse uma hora de vida
Roger Pol-Droit
R$ 29,90

Filosofia prática: Ética, vida cotidiana, vida virtual
Marcia Tiburi
R$ 49,90


Autor Carlos Minuano participa do talk show 'The Noite com Danilo Gentili'
13/07/2018
Saiba mais

Jornalista inclui canal 'Alexandrismos' em sua lista de favoritos
Alexandra Gurgel é citada como 'influenciadora do bem' por jornalista
09/07/2018
Saiba mais

Novo livro de Fabricio Carpinejar entra para a lista de mais vendidos da Veja
04/06/2018
Saiba mais

Contos de Nei Lopes são tema de curso no Centro Afrocarioca de Cinema
Saiba mais