Gêneros
Administração
Artes
Biografia/ Memória
Chick Lit
Ciências
Ciências Sociais
Cinema
Contos/ Crônicas
Culinária
Desenvolvimento pessoal
Desenvolvimento profissional
Economia
Educação
Ensaio/ Teoria literária
Entretenimento
Esoterismo
Espiritualidade
Filosofia
Geografia
Guerra
Guia
História
Infantil
Jovem Adulto
Juvenil
Literatura
Negócios
Obras de referência
Pensamento
Poesia
Policial
Política
Psicologia/ Psicanálise
Quadrinhos
Qualidade de vida
Relacionamento
Religião
Reportagem
Romance brasileiro
Romance estrangeiro
Romance histórico
Suspense
Teatro
Thriller
Viagem/ Aventura
Coleções
Autores
Tenha acesso a
conteúdos exclusivos.

leitor
livreiro
professor

Email:
Senha:
Lembrar senha
História Home > História > O martelo das feiticeiras
O martelo das feiticeiras
Autor: Heinrich Kramer e J.Sprenger
EAN: 9788585363086
Gênero: História
Páginas: 528
Formato: 14x21
Editora: Rosa dos Tempos
Preço: R$ 70,00
     

O MARTELO DAS FEITICEIRAS é um dos livros mais importantes da cultura ocidental, tanto para os leitores que se interessam pela história quanto para aqueles que estudam a história do pensamento e das leis. Documento fundamental do pensamento pré-cartesiano, bem como um dos mais importantes depositórios das leis que vigoram no Estado teocrático, revela as articulações concretas entre sexualidade e poder, e por isso é uma peça única para todos aqueles que estudam a profundidade da psique humana e o funcionamento das sociedades.

Durante quatro séculos este livro foi o manual oficial da Inquisição para caça às bruxas. Levou à tortura e à morte mais de 100 mil mulheres sob o pretexto, entre outros, de “copularem com o demônio”. Esse genocídio foi perpetrado na época em que formavam as sociedades modernas europeias. Um das consequências, apontadas pelos especialistas, foi tornar dóceis e submissos os corpos das mulheres posteriormente. O papa Inocêncio VIII nomeou dois dominicanos, os inquisidores Heinrich Kramer e James Sprenger, para julgar feiticeiras na Alemanha. Este último, deão da Universidade de Colônia, publicaria dali a dois anos, em 1484, com Kramer, prior de Salzburgo, a mais importante obra sobre demonologia da história, o temível Malleus Maleficarum (“O Martelo das Bruxas”), fonte de inspiração para todos os tratados posteriores, baseados em obras precedentes, entre as quais Formicarius de Johannes Nider, de 1435. Essa obra de Kramer e Sprenger atingiu 19 edições e foi aprovada pelo corpo docente da Universidade de Colônia. Dividia-se em três partes: A primeira discursava aos juízes, ensinando-lhes a reconhecer as bruxas em seus múltiplos disfarces e atitudes. A segunda expunha todos os tipos de malefícios, classificando-os e explicando-os. A terceira regrava as formalidades para agir “legalmente” contra as bruxas, demonstrando como inquiri-las e condená-las. Ela tinha como princípio o preceito bíblico que diz: à feiticeira não deixarás viver. (Ex 22,18). A abertura da obra, focalizando as três condições necessárias para a bruxaria, nos diz: “Se crer em bruxas é tão essencial à fé católica que sustentar obstinadamente opinião há de ter vivo sabor de heresia.”

 

Heinrich Kramer e J.Sprenger
...


1964 : O golpe que derrubou um presidente, pôs fim ao regime democrático e instituiu a ditadura militar no Brasil
Jorge Ferreira e Angela de Castro Gomes
R$ 40,00

O leviatã desafiado (Vol. 2)
Demétrio Magnoli, Elaine Senise Barbosa
R$ 60,00

Bandeirantes e pioneiros
Vianna Moog
R$ 55,00


Livro de Andre Dubus III vai virar filme
3/5/2013
Saiba mais

Neta de Dorival Caymmi lança livro O QUE É QUE A BAIANA TEM?
Rio de Janeiro/RJ
30/4/2013
Saiba mais

José Castello participa da nova edição do “Prosa nas livrarias”
Rio de Janeiro /RJ
1/4/2013
Saiba mais

Joel Birman participa de conferência e autografa O sujeito na contemporaneidade
Salvador/BA
23/2/2013
Saiba mais