Gêneros
Administração
Artes
Biografia/ Memória
Chick Lit
Ciências
Ciências Sociais
Cinema
Contos/ Crônicas
Culinária
Desenvolvimento pessoal
Desenvolvimento profissional
Economia
Educação
Ensaio/ Teoria literária
Entretenimento
Esoterismo
Espiritualidade
Filosofia
Geografia
Guerra
Guia
História
Infantil
Jovem Adulto
Juvenil
Literatura
Negócios
Obras de referência
Pensamento
Poesia
Policial
Política
Psicologia/ Psicanálise
Quadrinhos
Qualidade de vida
Relacionamento
Religião
Reportagem
Romance brasileiro
Romance estrangeiro
Romance histórico
Suspense
Teatro
Thriller
Viagem/ Aventura
Coleções
Autores
Tenha acesso a
conteúdos exclusivos.

leitor
livreiro
professor

Email:
Senha:
Lembrar senha
Romance brasileiro Home > Romance brasileiro > EU NÃO SOU CACHORRO, NÃO
EU NÃO SOU CACHORRO, NÃO
Autor: Paulo César de Araújo
EAN: 9788501063441
Gênero: Romance brasileiro
Páginas: 462
Formato: 16X23
Editora: Record
Preço: R$ 50,00
   

Artistas considerados bregas — como Odair José e Waldik Soriano — sempre apareceram no topo da lista de mais vendidos. Veiculados nas rádios, freqüentavam os programas de auditório, mas não receberam o devido respeito e espaço em livros e teses, pois freqüentemente eram associados à ditadura militar. Em EU NÃO SOU CACHORRO, NÃO, o historiador Paulo César de Araújo preenche essa lacuna na historiografia da música popular brasileira e mostra como as figuras mais demonizadas por aderirem à cultura oficial durante os anos de chumbo, na verdade, foram tão ou mais perseguidas pelo regime quanto os artistas de esquerda. “A produção musical brega (ou cafona) faz parte da realidade cultural brasileira, tanto quanto o tropicalismo e a bossa nova e merece ser analisada”, argumenta o autor. EU NÃO SOU CACHORRO, NÃO aborda três aspectos do papel de resistência desempenhado por esses artistas. Em primeiro lugar, Paulo César de Araújo analisa como muitas das letras trazem a denúncia ao autoritarismo e à segregação social. A música O divórcio, de Luiz Ayrão, por exemplo, — que, a princípio, se chamava Treze anos — pode ser lida tanto como um desabafo de um homem infeliz quanto como um basta ao regime militar. O autor compara a produção musical dentro do contexto histórico, dando especial atenção ao AI5. Paulo lembra, também, que a maioria desses cantores vivenciou o trabalho infantil: Nelson Ned e Agnaldo Timóteo foram engraxates. Paulo Sérgio, alfaiate. O livro traz, ainda, diversas curiosidades do universo musical cafona. São histórias que só agora chegam a público. Como a vez em que Odair José teve a música A primeira noite — que fala da primeira experiência sexual de um garoto — censurada e, para escapar ao veto, apenas trocou o título. Noite de desejos passou incólome pelas autoridades. Aliás, Odair José era campeão de vetos da censura federal. Sua música Pare de tomar a pílula foi proibida de ser executada nas rádios brasileiras e em toda a América latina. Mas ele não foi o único. Fernando Mendes teve seu Tributo a Carlinhos (o menino Carlinhos desapareceu sem deixar traços na década de 1960, num caso policial célebre e não resolvido até hoje) proibido já que poderia ser interpretado como referência aos presos políticos. Máximas de Waldik Soriano — A mulher é como a música. A música serve para limpar a alma, a mulher para limpar a casa — também estão presentes em EU NÃO SOU CACHORRO, NÃO. Assim como situações que beiram a tragicomicidade: Nelson Ned passava por baixo da roleta de ônibus por não ter dinheiro para pagar a passagem. “Isso não era difícil para mim”, brinca o cantor. Essas histórias resgatam artistas que, entre as décadas de 1968 e 1978, se destacaram no cenário artístico nacional. “Embora esquecida, nossa música popular cafona permanece guardada em estruturas de comunicação informais”, explica Paulo César. Atire a primeira pedra quem nunca cantarolou uma letra de música popular cafona. Apesar de gosto duvidoso, as melodias fazem parte do patrimônio afetivo de milhares de brasileiros. Músicas como Eu não sou cachorro, não, Pare de tomar a pílula e Cadeira de rodas fazem parte do repertório de um Brasil dos excluídos, um país mergulhado na ditadura militar e sacudido tanto por marchas moralistas de apoio à família, à propriedade e à Igreja quanto pela guerrilha urbana. Paulo César de Araújo, baiano de Vitória da Conquista, é jornalista, historiador e mestre em Memória Social. Trabalha como professor de História no ensino fundamental e médio da rede pública do Estado do Rio de Janeiro. “O lançamento deste livro é um grande acontecimento (...) O enfoque é genial. Esse livro é uma espécie de respiradouro, um momento de saúde”. — Caetano Veloso “Eu não ou cachorro, não pode ser enquadrado dentro de uma corrente relativamente nova no estudo acadêmico, é a escola de franceses como Georges Duby, Jacques Le Goff e Michelle Perrot”. — Jornal do Brasil “Cafonas revolucionários. Também censurados na ditadura, cantores bregas têm seu valor resgatado em livro”. — O Globo “Paulo César relembra os ídolos populares, seus sucessos e problemas nos anos do AI-5”. — O Dia “Cafonas tesourados. Eu não sou cachorro, não mostra a censura em ação contra artistas bregas dos anos 70”. — Época “O brega também tem lugar na MPB. A geração de Odair José e Waldik Soriano brilha em um estudo sobre os anos da censura”. — Carta Capital

Paulo César de Araújo
...


Oeste: a guerra do jogo do bicho
Alexandre Fraga
R$ 35,00

O professor
Cristovão Tezza
R$ 32,00

O mendigo que sabia de cor os adágios de Erasmo de Rotterdam
Evandro Affonso Ferreira
R$ 32,00


Cem anos de solidão com novo projeto gráfico
Saiba mais

Livro de Andre Dubus III vai virar filme
3/5/2013
Saiba mais

Neta de Dorival Caymmi lança livro O QUE É QUE A BAIANA TEM?
Rio de Janeiro/RJ
30/4/2013
Saiba mais

José Castello participa da nova edição do “Prosa nas livrarias”
Rio de Janeiro /RJ
1/4/2013
Saiba mais