Gêneros
Administração
Artes
Astrologia
Biografia/ Memória
Chick Lit
Ciências
Ciências Políticas
Ciências Sociais
Cinema
Contos/ Crônicas
Culinária
Desenvolvimento pessoal
Desenvolvimento profissional
Economia
Educação
Ensaio/ Teoria literária
Entretenimento
Esoterismo
Espiritualidade
Filosofia
Geografia
Guerra
Guia
História
Infantil
Jovem Adulto
Juvenil
Literatura
Negócios
Obras de referência
Pensamento
Poesia
Policial
Política
Psicologia/ Psicanálise
Quadrinhos
Qualidade de vida
Relacionamento
Religião
Reportagem
Romance brasileiro
Romance estrangeiro
Romance histórico
Suspense
Teatro
Thriller
Viagem/ Aventura
Coleções
Autores
Tenha acesso a
conteúdos exclusivos.

leitor
livreiro
professor

Email:
Senha:
Lembrar senha
Contos/ Crônicas Home > Contos/ Crônicas > Canalha, substantivo feminino
Canalha, substantivo feminino
Autor: Martha Mendonça
EAN: 9788501091703
Gênero: Contos/ Crônicas
Páginas: 144
Formato: 14x21
Editora: Record
Preço: R$ 47,90
     

“Um livro inteligente, cruel e muito divertido” – Mirian Gondelberg

Quem disse que só os homens sabem ser canalhas? Depois de uma primeira incursão como dramaturga — com a peça Os difamantes — e a coautoria dos livros Eu e você, você e eu e Mulheres no ataque, a jornalista carioca Martha Mendonça aborda, em seu primeiro livro solo, um universo muito particular: a canalhice feminina. 

Em CANALHA, SUBSTANTIVO FEMININO, Martha subverte o clichê de gênero que coloca homens e mulheres sempre nos mesmos papéis, mostrando que a mulher, quando quer, sabe muito bem como ser canalha. A canalhice não é um privilégio masculino. 

Em seis relatos fictícios, as controvertidas anti-heroínas Larissa, Cristina, Ângela, Diana, Ingrid e Mariana — de diferentes gerações e em diferentes contextos, mas unidas por uma mesma, incontrolável e terrível inclinação — relatam, na primeira pessoa, aonde sua natureza amoral as levou.

Elas não estão com raiva e não querem vingança. Não são a ex-mulher que aliena os filhos dos pais ou a ex-namorada que arranha todo o carro do cara quando leva um pé-na-bunda. Apenas não conseguem deixar de ser... canalhas. Agem por prazer, por necessidade de manipular e se dar bem.

Algumas partes dos contos são baseadas em histórias verdadeiras, mas a maioria vem da fértil imaginação da autora ou de sentimentos que já teve ou testemunhou em suas amigas. Vontade de trair o homem perfeito, transar com o marido da amiga sonsa, viver à custa de um boboca ou matar um sacana. Afinal, para ela, no fundo — e nem tão fundo — toda mulher tem uma canalha (em maior ou menor grau) dentro de si. Cabe a cada uma permitir que ela se manifestem ou simplesmente deixar tudo no plano das idéias.  

Como bem descreve a antropóloga Mirian Goldenberg, que assina a orelha do livro, “CANALHA, SUBSTANTIVO FEMININO é um livro para fazer pensar, desconfiar, gerar curiosidade, provocar. Um livro para fazer rir muito e, também, chorar um pouquinho. Principalmente aquele homem que já sofreu nas mãos de uma deliciosa canalha”.

Martha Mendonça

Martha Mendonça é carioca, jornalista, coautora ...



Autorretrato e outras crônicas
Carlos Drummond de Andrade
R$ 44,90

Felicidade incurável
Fabrício Carpinejar
R$ 39,90

Me ajude a chorar
Fabrício Carpinejar
R$ 39,90


Martha Mendonça autografa 40
Rio de Janeiro/RJ
29/05/2012
Saiba mais

Chega às livrarias em junho novo livro de Martha Mendonça
25/05/2016
Saiba mais