Gêneros
Administração
Artes
Astrologia
Biografia/ Memória
Chick Lit
Ciências
Ciências Políticas
Ciências Sociais
Cinema
Contos/ Crônicas
Culinária
Desenvolvimento pessoal
Desenvolvimento profissional
Economia
Educação
Ensaio/ Teoria literária
Entretenimento
Esoterismo
Espiritualidade
Filosofia
Geografia
Guerra
Guia
História
Infantil
Jovem Adulto
Juvenil
Literatura
Negócios
Obras de referência
Pensamento
Poesia
Policial
Política
Psicologia/ Psicanálise
Quadrinhos
Qualidade de vida
Relacionamento
Religião
Reportagem
Romance brasileiro
Romance estrangeiro
Romance histórico
Suspense
Teatro
Thriller
Viagem/ Aventura
Coleções
Autores
Tenha acesso a
conteúdos exclusivos.

leitor
livreiro
professor

Email:
Senha:
Lembrar senha
Biografia/ Memória Home > Biografia/ Memória > Eles se acreditavam ilustres e imortais...
Eles se acreditavam ilustres e imortais...
Autor: Michel Ragon
Título Original: Ils se croyaient illustres et immortels
Tradutor: Marcelo Rouanet
EAN: 9788574321196
Gênero: Biografia/ Memória
Páginas: 128
Formato: 14x21
Editora: Difel
Preço: R$ 42,90
   

Em Eles se acreditavam ilustres e imortais, Michel Ragon narra o fim da vida de alguns importantes intelectuais que, após o declínio de sua obra, bem como de sua saúde, enfrentaram uma velhice trágica. E que, após a morte e um esquecimento que parecia definitivo, voltaram a ser reconhecidos e idolatrados.

Como o destino de homens ilustres, artistas, pensadores, mundialmente famosos, poderia um dia obscurecer-se? Na realidade, Ezra Pound, Gustave Courbet, Piotr Kropotkin, Alexandre Dumas, Knut Hamsun, René Descartes, Fréhel, Alphonse de Lamartine, Françoise Sagan e Georges Clemenceau – personalidades analisadas no livro – são objeto de retratos fascinantes, muitas vezes cruéis ou tragicômicos, no ocaso de suas vidas. Evoca-se sua velhice — suas ilusões, sua decadência física, moral, espiritual —, mas também sua genialidade e sua glória.

Os sutis esboços biográficos contidos no livro são úteis àqueles que querem enriquecer sua cultura geral, tomar outro rumo na vida ou não se tornar testemunha impotente de sua própria derrota. Como fez, por exemplo, Ezra Pound, acusado de ligações perigosas com o fascismo, que reconheceu, após 13 anos de internação psiquiátrica nos Estados Unidos e na beira da morte: "Errei. Errei 95%. Perdi a cabeça em uma tempestade. (...) A perda da moderação é sempre uma desgraça."

Com um espírito de relato terno e feroz ao mesmo tempo, estas páginas de fácil leitura não se limitam a fornecer conselhos de vida: elas oferecem também impressionantes toques de lucidez. Sábio, necessário e profundo: o tipo de livro que faz falta a todos nos dias atuais.


Michel Ragon

Michel Ragon nasceu em 1921 em Marselha. É crítico ...



Confesso que vivi
Pablo Neruda
R$ 59,90

O diário de Anne Frank (Edição de bolso)
Anne Frank
R$ 29,90

Querido Mundo: A história de guerra de uma menina síria e sua busca pela paz
Bana Alabed
R$ 34,90


Autor Carlos Minuano participa do talk show 'The Noite com Danilo Gentili'
13/07/2018
Saiba mais

Jornalista inclui canal 'Alexandrismos' em sua lista de favoritos
Alexandra Gurgel é citada como 'influenciadora do bem' por jornalista
09/07/2018
Saiba mais

Novo livro de Fabricio Carpinejar entra para a lista de mais vendidos da Veja
04/06/2018
Saiba mais

Contos de Nei Lopes são tema de curso no Centro Afrocarioca de Cinema
Saiba mais