Gêneros
Administração
Artes
Astrologia
Biografia/ Memória
Chick Lit
Ciências
Ciências Políticas
Ciências Sociais
Cinema
Contos/ Crônicas
Culinária
Desenvolvimento pessoal
Desenvolvimento profissional
Economia
Educação
Ensaio/ Teoria literária
Entretenimento
Esoterismo
Espiritualidade
Filosofia
Geografia
Guerra
Guia
História
Infantil
Jovem Adulto
Juvenil
Literatura
Negócios
Obras de referência
Pensamento
Poesia
Policial
Política
Psicologia/ Psicanálise
Quadrinhos
Qualidade de vida
Relacionamento
Religião
Reportagem
Romance brasileiro
Romance estrangeiro
Romance histórico
Suspense
Teatro
Thriller
Viagem/ Aventura
Coleções
Autores
Tenha acesso a
conteúdos exclusivos.

leitor
livreiro
professor

Email:
Senha:
Lembrar senha
Filosofia Home > Filosofia > Quando brinco com a minha gata, como sei que ela não está brincando comigo?
Quando brinco com a minha gata, como sei que ela não está brincando comigo?
Autor: Saul Frampton
Título Original: When I am playing with my cat, how do I know she is not playing with me?
Tradutor: Marina Slade
EAN: 9788574321271
Gênero: Filosofia
Páginas: 336
Formato: 16 x 23 cm
Editora: Difel
Preço: R$ 59,90
     

O livro que aproxima o leitor dos textos clássicos de um dos maiores filósofos de todos os tempos

Quando brinco com a minha gata, como sei que ela não está brincando comigo? – Montaigne e o estar em contato com a vida, de Saul Frampton, celebra, com leveza e bom humor, a vida e a obra de Michel de Montaigne, cujos ensaios tiveram enorme impacto em figuras como Shakespeare e Orson Welles, e cujos pensamentos, ainda hoje, ferecem uma visão sem precedentes sobre a simples questão de estar vivo.

O livro apresenta uma viagem pela evolução dos ensaios de Montaigne e os eventos que o inspiraram ao longo de sua vida. Um dos maiores méritos de Frampton é convidar o leitor a conhecer e a compreender as ideias do filósofo a respeito da morte, do sexo, da amizade, da natureza e, acima de tudo, do poder do comum e do banal, o valor do momento presente. 

Por meio dos ensaios do filósofo francês, Frampton argumenta que ele usava, muitas vezes, a escrita como terapia, colocando seus sentimentos no papel.

O estilo do livro é divertido, fácil e pertinente, como quando comparado, de forma memorável, Montaigne com James Stewart, de A felicidade não se compra: “Montaigne começa a rejeitar a desesperança e a sentir a textura do tecido simples da existência.” (p.13)

Michel de Montaigne aposentou-se aos 37 anos e viveu o restante da vida em seu castelo. No entanto, em vez de acalmá-lo, o ócio fez Montaigne procurar algo mais para a vida. Essa foi a origem de seus ensaios.

“Excelente. Saul Frampton se sobressai em seus insights inteligentes e perspicazes.” (The Washington Post)

“Esta viagem pela renascença é uma joia.” (Publishers Weekly)

Saul Frampton

Saul Frampton estudou filosofia na Universidade de East Anglia, ...



Quadros de guerra: Quando a vida é passível de luto?
Judith Butler
R$ 47,90

Se só me restasse uma hora de vida
Roger Pol-Droit
R$ 29,90

Filosofia prática: Ética, vida cotidiana, vida virtual
Marcia Tiburi
R$ 52,90


Livro vencedor do Pulitzer 2018 será lançado no Brasil pela Record
15/05/2018
Saiba mais

David Levithan vem ao Brasil pela primeira vez para a Bienal de São Paulo
David Levithan vem ao Brasil para Bienal em São Paulo
15/05/2018
Saiba mais

Biografia de Gregório de Matos publicada pela Record vence prêmio da ABL
15/07/2015
Saiba mais

Por questões de segurança, Roberto Saviano cancela participação na Flip
Saiba mais