Estreia de fantasias, de Pauline Harmange, final das Crônicas Saxônicas e mais

6/07/2021 247 visualizações

A caçadora, da Kate Quinn 

A caçadora (Verus Editora, 588 págs, R$ 69,90) é uma história envolvente e emocionante que ilumina as consequências da guerra na vida dos indivíduos e o preço que se paga na busca por justiça e verdade. Na história, da mesma autora de A Rede de Alice, Nina Markova sempre sonhou em voar. Quando os nazistas atacam a União Soviética, ela arrisca tudo para se juntar às lendárias Bruxas da Noite, um regimento de bombardeiros noturnos formado só por mulheres que tinha como objetivo combater os invasores alemães. Presa atrás das linhas inimigas, Nina se torna vítima de uma assassina nazista letal conhecida como Caçadora e vai precisar de toda a sua bravura e astúcia para se manter viva.

 

Eu odeio os homens, da Pauline Harmange

Censurado por um assessor do Ministério de Igualdade de Gênero na França, Eu odeio os homens (Rosa dos Tempos, 84 págs, R$ 39,90) tornou-se um best-seller mundial. Em sua estreia literária, a já celebrada autora Pauline Harmange faz um desabafo sobre o que é ser mulher em um mundo machista, ao mesmo tempo que desvela os mecanismos cotidianos de opressão que foram naturalizados. Com humor ácido, a feminista francesa usa o mote da misandria, entendida como a raiva das oprimidas em relação aos opressores, para revelar o que a misoginia tenta silenciar.
O livro trata de temas que estão na ordem do dia, entre eles: articulações feministas, como o #MeToo; os números alarmantes de feminicídio e assédio sexual; a síndrome do impostor; a carga mental das mulheres; e a importância da sororidade. Aborda também a heterossexualidade compulsória e passa por questões próximas às que suscita a célebre frase de Simone de Beauvoir, em O segundo sexo – “O mais medíocre dos homens acredita que é um semideus perto de uma mulher”.

 

O poder do Nunchi – O segredo coreano para a felicidade e o sucesso, da Euny Hong

Você sabe o que é nunchi? Nunchi é a arte de “ler um ambiente” e entender o que os outros estão pensando e sentindo. É uma forma de inteligência emocional que os sul-coranos cultivam desde a infância e que você também pode desenvolver! Em O poder do nunchin (BestSeller, 208 págs, R$ 39,90), a jornalista e “ninja do nunchi” Euny Hong mostra que só precisamos dos olhos e ouvidos para acessar nosso nunchi. E com essa habilidade criar conexões e se relacionar de forma mais eficaz com as pessoas ao seu redor.

 

 

O senhor da guerra (Vol. 13 Crônicas Saxônicas), do Bernard Cornwell

O senhor da guerra (Ed. Record, 378 páginas, R$ 64,90)  é o 13º volume das Crônicas Saxônicas. Depois de anos acompanhando a saga de Uhtred para recuperar a fortaleza de Bebbanburg e a luta de Alfredo e seus descendentes em busca da unificação dos reinos da Britânia, temos, enfim, seu desfecho épico: a batalha mais sangrenta travada até então, um dia histórico que pode ser considerado o evento fundador da Inglaterra. No olho da tempestade está Uhtred. Preso por um juramento a Æthelstan, mas em busca de paz em sua querida Nortúmbria, ele se vê ameaçado e subornado pelos dois lados do conflito, enquanto precisa encarar uma escolha impossível: manter-se longe da disputa, arriscando sua liberdade e a perda da formidável Bebbanburg, ou se lançar na guerra rumo à mais terrível batalha que os reinos já enfrentaram. Só o destino dirá o resultado.

Clássicas do pensamento social, de Verônica Toste Daflon e Bila Sorj

Clássicas do pensamento social (Rosa dos Tempos, 280 págs, R$ 69,90) responde, em primeiro lugar, a uma necessidade histórica: recuperar para o cânone das ciências sociais as ideias, a visão crítica e as elaborações teóricas de mulheres que não entraram para a história do pensamento social, cuja bibliografia, como acontece em tantas outras áreas de saber, é formada apenas por homens. Em provocação (e certa ironia), as organizadoras Verônica Toste Daflon e Bila Sorj tecem comentários e, ao mesmo tempo, questionam o que define um “clássico”, retirando da marginalidade mulheres cientistas sociais ainda hoje muito relevantes. As autoras aqui retomadas – Harriet Martineau, Anna Julia Cooper, Pandita Ramabai Sarasvati, Charlotte Perkins Gilman, Olive Schreiner, Alexandra Kollontai, Ercília Nogueira Cobra e Alfonsina Storni – viveram entre o final do século XIX e o início do século XX. São herdeiras dos ideais das mulheres que estiveram na revolução francesa lutando por cidadania e que foram precursoras das sufragistas, que conquistaram o direito ao voto.

 

Dentro da caixa, Drew Boyd e Jacob Goldenberg

Em direção oposta ao que comumente a sabedoria empresarial afirma, Drew Boyd e Jacob Goldenberg mostram, em Dentro da caixa (Best Business, 352 págs, R$ 44,90) baseados na experiência nos mundos corporativo e acadêmico, que esta não é necessariamente a melhor solução. Embora pareça contraintuitivo, a inovação e a criatividade são o resultado de trabalhar com o que nos é familiar (sim, dentro da caixa), usando uma série de modelos que canalizam o processo criativo de maneira a nos tornar mais – e não menos – criativos. Os autores utilizam técnicas baseadas em um grupo surpreendente de padrões comuns compartilhados por todas as soluções inovadoras. Eles formam a base do método do Pensamento Inventivo Sistemático (SIT, na sigla em inglês), hoje utilizado por centenas de empresas em todo o mundo, incluindo líderes da indústria, como Johnson & Johnson, GE, Procter & Gamble, SAP e Philips.

Ascensão da rainha, da Rebecca Ross 

O primeiro livro de uma nova e emocionante duologia de fantasia, A ascensão da rainha (Galera, 378 págs, R$ 54,90) vai encantar fãs de romances históricos com magia e ação. Uma protagonista feminina forte, que descobre o próprio valor e luta para recuperar aquilo que é seu por direito, aprendendo que, quando se trata de poder, devemos tomar cuidado em quem depositamos a confiança. Uma rainha deve subir ao trono. Cabe a ela decidir quem. Brienna desejava apenas duas coisas: dominar a paixão de conhecimento e ser escolhida por um patrono. Os anos que passou em Magnalia, uma das mais renomadas instituições de Valenia, deveriam tê-la preparado para isso. Enquanto a maioria das aprendizes nasce com o dom e a herança para se dedicar a uma das cinco paixões – arte, música, teatro, sagacidade e conhecimento –, a jovem órfã penou até encontrar seu caminho no conhecimento, mas talvez seus estudos não tenham sido suficientes.

Um amor desastroso, da Brittainy C., Cherry

Em Um amor desastroso (Ed. Record, 392 págs, R$ 49,90) , sentimos todo o desespero da heroína que se faz de durona — Hazel precisou ser assim; aprender a cuidar de si mesma ainda na adolescência não foi uma escolha. Tudo o que ela deseja é desaparecer de Eres, uma pequena cidade em Nebraska, fugir com a mãe grávida para libertá-la das mãos do padrasto violento. Por isso a garota se sujeita a trabalhar em um rancho. Como se o fato de passar o dia em companhia de porcos e fardos de feno não fosse ruim o bastante, ela ainda é obrigada a conviver com o mau humor do chefe Ian Parker, um completo idiota também conhecido como o maior pegador da cidade. Gênios tão diferentes, desejos tão distintos, e ainda assim a amizade encontra solo fértil para fincar raízes. Surpresos, Ian e Hazel percebem que existe muito mais em comum entre os dois do que suspeitavam. Também começam a desconfiar que um “melhores amigos” pode não ser o suficiente para explicar o que anda acontecendo entre eles.

Pássaro e serpente (Vol. 1), da Shelby Mahurin

Juntos como um só, para amar, honrar ou queimar. Pássaro e serpente (Galera, 504 págs, R$ 49,90) é o primeiro livro de uma trilogia que une bruxaria, fantasia, perigos e um amor proibido. Há dois anos, Louise le Blanc precisou fugir de seu clã e se escondeu na cidade de Cesarina, deixando para trás toda a magia e vivendo de tudo que pudesse roubar. No entanto, a cidade é cheia de perigos e mistérios para alguém como ela. Na região, caçadores da Igreja caminham pela cidade, venerados como verdadeiros homens santos. Lá, bruxas como Lou são temidas, caçadas… e, então, queimadas. Reid Diggory vive sua vida com base em um versículo: não permitirás que uma bruxa viva. Com a intenção de levá-la a julgamento, Reid acredita que ela não escapará novamente. Mas quando Lou dá um golpe perverso e o engana outra vez, em um escândalo público, os dois são forçados a uma situação inimaginável: o casamento.

Um céu além da tempestade (Vol. 4), da Sabaa Tahir

Volume final da série Uma chama entre as cinzas, Um céu além da tempestade (Verus, 490 págs, R$ 54,90), traz o ataque dos djinns após ficarem mil anos aprisionados. Mas, para o Portador da Noite, a vingança contra os humanos é apenas o começo. Ao seu lado, Keris Veturia se declara imperatriz e ameaça de morte todos aqueles que a desafiarem. No topo da lista estão a Águia de Sangue e o que resta de sua família.
Laia de Serra, agora aliada da Águia de Sangue, luta para se recuperar da perda das duas pessoas mais importantes de sua vida. Determinada a impedir o apocalipse que se aproxima, ela se lança à destruição do Portador da Noite. No processo, desperta um poder ancestral que pode levá-la à vitória — ou a uma tragédia inimaginável.

 

Box 

A Saga dos Corvos (Verus Editora, 1534 págs, R$ 169,90), de Maggie Stiefvater, estão reunidos pela primeira vez e tem como extra o conto inédito “Opala”. Na obra, quatro garotos corvos e uma garota que faz amizade com eles. Um rei galês, um assassino misterioso, um beijo da morte e inscrições para a faculdade. Blue, Gansey, Adam, Noah e Ronan estão em busca de um rei adormecido que vai lhes conceder um desejo, e nessa jornada vão se deparar com florestas mágicas, visões mediúnicas e poderes imprevistos, entrelaçados a uma aura mística e obsessiva.