Livros para amar o corpo no verão (e em todas as épocas do ano)

13/01/2021 454 visualizações

O verão chegou e, com ele, a insegurança que atinge principalmente as mulheres: o corpo. A época do ano em que as únicas preocupações deveriam ser a hidratação e o protetor solar (importante!), acaba provocando momentos delicados ao vestirem um biquíni ou uma roupa mais leve. O motivo tem nome e muitos endereços: a pressão estética. Difundida pela mídia há décadas e perpetuada com a ajuda da internet – desde os programas de edição que emagrecem até a naturalização das cirurgias plásticas – ela faz com que homens e mulheres busquem um padrão, que pode custar o verão, momentos de diversão e até a vida.

Entendendo a problemática dessa construção social e a importância da autoaceitação, o Grupo Editorial Record indica para este verão o clássico O mito da beleza, da jornalista Naomi Wolf, e  Pare de se odiar: Porque amar o próprio corpo é um ato revolucionário, da criadora de conteúdo Alexandra Gurgel.

O mito da beleza, de Naomi Wolf

Clássico que redefiniu nossa visão a respeito da relação entre beleza e identidade feminina. Um dos livros mais importantes da terceira onda feminista. Em O mito da beleza (Ed. Rosa dos Tempos, 490 págs, R$ 69,90) , a jornalista Naomi Wolf afirma que o culto à beleza e à juventude da mulher é estimulado pelo patriarcado e atua como mecanismo de controle social para evitar que sejam cumpridos os ideais feministas de emancipação intelectual, sexual e econômica conquistados a partir dos anos 1970. As leitoras e os leitores encontrarão exposta a tirania do mito da beleza ao longo dos tempos, sua função opressora e as manifestações atuais no lar e no trabalho, na literatura e na mídia, nas relações entre homens e mulheres e entre mulheres e mulheres. Naomi Wolf confronta a indústria da beleza, tocando em assuntos difíceis, como distúrbios alimentares e mentais, desenvolvimento da indústria da cirurgia plástica e da pornografia. Esta edição, revista e ampliada,  traz uma apresentação da autora contextualizando o livro para os leitores de hoje, já que esteve mais de duas décadas longe das livrarias brasileiras.

 

Pare de se odiar: Porque amar o próprio corpo é um ato revolucionário, de Alexandra Gurgel

Alexandra Gurgel, criadora do canal Alexandrismos no Youtube, com mais de 400 mil inscritos, é conhecida por abordar em seus vídeos temas como autoaceitação, o movimento body positive, autoestima, relacionamentos e a luta contra a gordofobia. Em Pare de se odiar: Porque amar o próprio corpo é um ato revolucionário (Ed. BestSeller, 154 págs, R$ 33,90) a autora tem como objetivo ajudar suas leitoras a trilharem o caminho do amor-próprio e o da construção de uma autoimagem mais positiva, entendendo como a sociedade em que vivemos interfere diretamente na relação que temos com o nosso corpo. Alexandra, que tem sido uma das vozes mais atuantes do movimento body positive no Brasil, traz no livro uma mensagem honesta e acolhedora, a partir de sua experiência pessoal para mostrar que amar o próprio corpo é, de fato, um dos atos mais revolucionários deste século.