No Dia do Pedagogo, reverencie Paulo Freire

20/05/2020 68 visualizações

Patrono da educação brasileira, Paulo Freire recebeu mais de cem títulos de doutor honoris ao longo de sua trajetória, além de inúmeros prêmios, como Educação para a Paz, da Unesco, e Ordem do Mérito Cultural, do governo brasileiro. O escritor, que também foi o que mais vendeu livros pelo Grupo Editorial Record na Bienal do Rio em 2019, ganha novo projeto gráfico da Editora Paz & Terra com o relançamento de seus sucessos.
Hoje, no dia do pedagogo, selecionamos dois livros para o leitor conhecer o posicionamento transformador e crítico de um dos pensadores mais notáveis da pedagogia mundial.

PARTIR DA INFÂNCIA | PAULO FREIRE | PAZ & TERRA
Publicado originalmente em 1981, Partir da infância foi o primeiro livro da parceria entre Paulo Freire e Sérgio Guimarães. Na primeira parte da obra, o diálogo começa na própria infância de Freire e permeia todo o sistema educacional brasileiro. Os dois professores discutem o ambiente da sala de aula, a formação profissional do educador e a participação necessária do educando no processo de conhecimento. A segunda parte reúne longas conversas de Sérgio Guimarães e professoras, em São Paulo.
“Mas estou convencido, na minha prática, de que a espontaneidade, a imaginação livre, a expressividade de si e do mundo na criança; a inventividade, a capacidade de recriar o já criado, para poder assim criar o ainda não criado, não podem, de um lado, ser negadas em nome da instalação de uma cega disciplina intelectual, nem, de outro, estar fora da própria constituição dessa disciplina, entendes, Sérgio?”
O livro foi relançado pela Editora Paz & Terra em março de 2020 com novo projeto gráfico.

POLÍTICA E EDUCAÇÃO | PAULO FREIRE | PAZ & TERRA
Escrito ao longo de 1992, Política e educação é composto de doze ensaios. Como Paulo Freire afirmou, os textos têm “uma nota que os atravessa a todos: a reflexão político-pedagógica. É esta nota que, de certa maneira, os unifica ou lhes dá equilíbrio enquanto conjunto de textos.”
“Imoral é a dominação econômica, imoral é a dominação sexual, imoral é o racismo, imoral é a violência dos mais fortes sobre os mais fracos. Imoral é o mando das classes dominantes de uma sociedade sobre a totalidade de outra, que deles se torna puro objeto, com sua maior ou menor dose de conivência. A educação para a libertação, responsável em faze da radicalidade do ser humano, tem como imperativo ético a desocultação da verdade.
Com prefácio assinado pelo sociólogo Venício A. de Lima, o livro retorna às livrarias em junho deste ano.