Novo romance de Carla Madeira, Luiz Antonio Simas, vencedores do Prêmio Sesc e mais

26/10/2021 94 visualizações

Véspera, da Carla Madeira

Novo romance da autora do fenômeno Tudo é rio, Véspera (Record, 280 págs, R$ 49,90) retoma a escrita brilhante e contagiante de Carla Madeira. Nela as personagens parecem estar vivos diante de nós. As emoções que sentem são palpáveis e suas reações, autênticas. Temos a sensação de conhecê-los de perto, inclusive as contradições e os pontos cegos. A narrativa começa com a pergunta: como se chega ao extremo? Vedina, uma mulher destroçada por um casamento marcado pelo desamor, em um momento de descontrole abandona seu filho e, imediatamente arrependida, volta para o lugar onde o deixou e não encontra quaisquer vestígios de sua presença. Este é o acontecimento nuclear da trama que expõe as entranhas de uma família – pai alcóolatra, mãe controladora, irmãos gêmeos tensionados pelas diferenças – que, como tantas outras famílias, torna-se um lugar onde as singularidades de cada um não são acolhidas, criando rachaduras por onde a violência se infiltra. Contada em dois tempos, o dia do abandono e os dias que vieram antes dele, o romance avança como duas ondas até que elas se chocam e se iluminam.

Umbandas: Uma história do Brasil, Luiz Antonio Simas                                                            

Uma verdadeira aula de História, em Umbandas: Uma história do Brasil (Civilização Brasileira, 192 págs, R$ 44,90), Luiz Antonio Simas mostra os primeiros registros fonográficos da palavra umbanda, a origem dos nossos patuás e qual a diferença entre eles e os amuletos. O historiador, que frequenta terreiros de umbanda desde a mais tenra idade, balizado pela história do Brasil e amparado pela própria trajetória, elabora um estudo inédito, original, que se propõe a contar a história do país à luz das umbandas. Por isso, já no título deste livro a palavra não vem no singular. A diversidade do país, segundo o autor, se manifesta nas várias umbandas existentes, que se multiplicaram em histórias como a de sua avó, alagoana criada em Pernambuco e que se mudou para o Rio de Janeiro carregando consigo suas crenças e ritos. Enquanto o catolicismo veio imposto pelos jesuítas e o culto aos orixás aportou no Brasil com a chegada dos africanos, a umbanda tornou-se uma religião brasileira, efetivamente nossa, da nossa gente — ou de nossas gentes. Em uma abordagem ora política, ora poética, e o tempo todo documental, Luiz Antonio Simas elabora com rigor histórico e verve literária as disputas que se estabelecem no campo simbólico em que se constitui a umbanda como religião.

Justiça climática, da Mary Robinson

Esperança, resiliência e a luta por um futuro sustentável. Justiça climática (Civilização Brasileira,  192 págs, R$ 49,90) é a obra fundamental para compreender as questões climáticas da atualidade. É escrito por muitas vozes, algumas delas vindas da Irlanda, do Quênia, da Lapônia, dos Estados Unidos, do Vietnã e de Kiribati. O que todas têm em comum são os relatos comoventes e reais dos efeitos da mudança climática na vida. Regimes de chuvas imprevisíveis, enchentes, tsunâmis, furacões, colheitas perdidas e florestas incendiadas: o fenômeno da alteração do clima no planeta Terra é verdadeiro e avassalador. Mas, para além de trágicas, essas vozes trazem esperança e resiliência. Mary Robinson, advogada, ex-presidente da Irlanda e enviada especial da ONU para mudança climática, é a responsável por reunir essas histórias, que recolheu pelo mundo durante os anos em que participou de debates e congressos sobre direitos humanos e clima. Mary Robinson é capaz de demonstrar o grande poder da troca, do diálogo e do encontro, e mostra como empatia, ações individuais e locais podem se tornar exemplos de quais caminhos seguir para ter um mundo mais justo e sustentável.

O que a casa criou, do Diogo Monteiro

O que a casa criou (Record. 128 págs, R$ 34,90) é um livro sobre o espanto. Vencedor do Prêmio Sesc de Literatura 2021 na categoria Conto, traz dezesseis contos, inclusive o que dá nome ao volume, que tratam, de alguma forma, sobre a possibilidade de encontrar o inusitado a qualquer momento, na virada de uma esquina ou no abrir de uma porta. As histórias desta coletânea, desenvolvidas pelo autor ao longo dos últimos dez anos, evitam as “certezas cimentadas” e apresentam um toque de realismo fantástico. Dialogando sobre a fragilidade do real e do nosso confortável conceito de realidade, O que a casa criou reflete sobre como a quebra dessa normalidade age sobre pessoas, lugares e coisas. Segundo a escritora Heloisa Prieto, que assina o texto de orelha: “Filiando-se à tradição de Machado de Assis, pela complexidade ambígua dos personagens, e de Guimarães Rosa, enquanto mítico narrador entre mundos, Diogo Monteiro entra em cena para ocupar a cadeira de honra entre os grandes contadores de histórias.”

O réptil melancólico, do Fábio Horácio-Castro

Vencedor do Prêmio Sesc de Literatura 2021 na categoria Romance, O réptil melancólico Record, (Record, 384 págs, R$ 49,90) é o romance de estreia de Fábio Horácio-Castro. Nele, o autor traz uma realidade alternativa, em que o estado do Pará permaneceu colônia portuguesa até os anos 1960. Quando a Ditadura Militar, após negociar com Portugal, toma o controle da colônia paraense, alguns personagens são forçados a saírem de Belém e se exilarem em busca de segurança. O livro narra o retorno de Felipe para sua cidade após o longo período de exílio, levado por sua mãe, perseguida e torturada pelo regime militar brasileiro. No seu retorno, Felipe restabelece contato com a família paterna, especialmente com o primo Miguel, que está partindo da cidade. Nesta história de repressão, retorno e fuga, os dois primos vivem exílios opostos. Segundo a poeta e ficcionista Luci Collin, que assina a orelha do livro, “O réptil melancólico nos enseja um mundo de percepções inegavelmente corajosas e necessárias.”

Quarenta outonos, da Nina Willner

Em Quarenta outonos (Verus, 378 págs, R$ 59,90) Nina conta a história de sua família — vidas comuns atingidas por circunstâncias fora de seu controle. E também nos leva ao mundo tumultuoso da Alemanha Oriental sob o domínio comunista, revelando a realidade cruel que seus parentes enfrentavam e suas próprias experiências como oficial de inteligência, executando operações secretas atrás do Muro de Berlim que punham sua vida em risco. Em 1948, aos 20 anos, Hanna fugiu da Alemanha Oriental para a Alemanha Ocidental. Mas o preço da liberdade — deixar para trás seus pais e os oito irmãos — partiu seu coração. Sem raízes, Hanna acabou se mudando para os Estados Unidos, onde formou uma família. Criada perto de Washington, D.C., Nina Willner, a filha de Hanna, se tornou a primeira mulher oficial de inteligência do exército dos EUA a liderar operações secretas em Berlim Oriental no auge da Guerra Fria. Embora apenas alguns quilômetros separassem Nina de suas parentes alemãs, uma guerra política acirrada as mantinha afastadas.

Sex Education: Um guia para a vida, do Jordan Paramor

Todas perguntas que você sempre teve vontade (e vergonha) de fazer são respondidas em Sex Education: Um guia para a vida (Galera, 192 págs, R$ 49,90). Um jeito simples e divertido de aprender sobre anatomia, confiança na aparência, consentimento, sexualidade e gênero, com citações dos personagens da série fenômeno da Netflix. Se você está questionando seu corpo, sem ter certeza sobre como se sente a respeito de si ou não sabe o que fazer no campo minado que é o amor moderno. Com prefácio de Laurie Nunn, criadora da série, e ilustrações de Fionna Fernandes, o guia abrange de tudo um pouco, desde anatomia, autoestima e autoaceitação, até situações que você pode passar em um relacionamento amoroso e o que fazer para evitar IST’s. Sex Education: Um guia para a vida além de contextualizar os temas do guia com as várias experiências dos personagens que todos aprendemos a amar, teve a consulta de vários especialistas para fornecer informações precisas. Trata-se de um guia compreensivo, interseccional e inclusivo.

A arte perdida de educar, da Michaeleen Doucleff

O que podemos aprender com nossos ancestrais sobre educação e ensino? Em A arte perdida de educar (BestSeller, 378 págs, R$ 54,90), a autora relata sua experiência enquanto visitava três das comunidades mais antigas do mundo: os maias, no México; os inuítes, acima do Círculo Ártico; e os hadza, na Tanzânia. Durante sua estadia, ela observou as estratégias parentais praticadas pelas famílias e percebeu que essas culturas não tinham os mesmos problemas que os pais ocidentais na criação dos filhos. Diferentemente da cultura ocidental, as crianças maias, inuítes e hadza são criadas com base na cooperação em vez do controle, na confiança em vez do medo e nas necessidades individuais em vez de marcos de desenvolvimento. Em A arte perdida de educar você encontrará métodos eficazes utilizados pelas culturas ancestrais que podem servir de modelo para a criação de filhos felizes na sociedade contemporânea. Repleto de lições práticas que os pais podem implementar imediatamente, o livro ajuda o leitor a repensar a maneira como os pais devem se relacionar com os filhos e revela um paradigma universal de parentalidade adaptado para todas as famílias.

Cidadania no Brasil: O longo caminho, do José Murilo de Carvalho

Em seu vigésimo aniversário de publicação, Cidadania no Brasil (Civilização Brasileira, 272 págs, R$ 49,90) segue um clássico das ciências humanas e sociais brasileiras na atualidade. Esta nova edição, revista e ampliada, comprova sua relevância nos estudos sociopolíticos e históricos do país. Diferentemente do que brada o senso comum, as últimas décadas mostraram que não somos simplesmente uma população apática e bestializada, inerte aos rumos da nação. O fenômeno da cidadania é algo muito mais complexo. Na obra, o autor José Murilo de Carvalho, apresenta um amplo panorama que abarca desde os primeiros passos representados pela Independência do Brasil, passando pela marcha em direção ao progresso do século XX, sem com isso esquecer os recuos políticos decorrentes de movimentos ditatoriais, até chegar ao período da redemocratização. O que os leitores encontram ao fim desta viagem é um rico arcabouço teórico que os torna capazes de avaliar criticamente tanto o cenário político passado quanto o atual.
No posfácio, escrito especialmente para esta edição comemorativa, o autor mostra como chegamos até aqui. E, para compreender tantos movimentos políticos, espontâneos ou premeditados, democráticos ou violentos, populares ou elitizados, é necessário, mais do que nunca, leitura e reflexão crítica.

Dicionário Português-Yorùbá, do José Beniste

Diferente de línguas mortas como o latim e o grego arcaico, o yorùbá é uma língua viva, falada na Nigéria, no Sul da República do Benin, nas repúblicas do Togo e de Gana, por cerca de 30 milhões de pessoas. No Brasil, conseguiu ser mantido de forma expressiva por meio da liturgia dos candomblés procedentes daquelas regiões, tornando-se um dos depositários mais fiéis dessas tradições. Neste Dicionário Português-Yorùbá (Bertrand Brasil, 888 págs, R$ 159,90), José Beniste dá sequência a um estudo detalhado do idioma yorùbá, iniciado com o Dicionário Yorùbá-Português (2011), que poderá ser consultado para facilitar a organização de frases e textos. O autor apresenta mais de 18 mil verbetes, mais de 15 mil exemplos de frases traduzidas, explicações das palavras fundamentais, a categoria gramatical das palavras para orientação na formação de frases e regras gramaticais. Além disso, a obra inclui uma seção com orientações básicas sobre o idioma yorùbá, incluindo alfabeto, pronúncia, sistema tonal, vogais alongadas, elisão e assimilação, plural das palavras, gênero gramatical, frases interrogativas, substantivos, adjetivos, verbos, advérbios, preposições, conjunções, numerais e observações gerais.

Aumente o poder do seu subconsciente para alcançar uma vida mais plena e produtiva, do Joseph Murphy

Uma vida mais plena e produtiva. Não é o que todos querem? Em Aumente o poder do seu subconsciente para alcançar uma vida mais plena e produtiva (BestSeller, 272 págs, R$ 39,90), Joseph Murphy apresenta seu método para alcançar essa meta universalmente desejada, apresentando instruções que há muito vêm obtendo ótimos resultados para que o leitor consiga aplicá-las em todos os aspectos de sua vida pessoal. Para o autor, a produtividade e a plenitude não são obrigatórias. É preciso ter em mente que podemos ter uma vida rica e feliz, desde que tomemos a decisão consciente de melhorá-la por meio do domínio dos nossos pensamentos.
Com uma série de exemplos reais, Joseph Murphy leva a entender que os pensamentos podem ser controlados, de modo a fazer com que ideias de doença, pobreza ou depressão desapareçam da mente consciente. Tudo o que precisamos fazer é manter a mente aberta e não deixar que os preconceitos nos impeçam de estudar, compreender e aplicar os ensinamentos apresentados.

Aumente o poder do seu subconsciente para desenvolver a autoconfiança e a autoestima, do Joseph Murphy

A autoconfiança, a sensação de que somos capazes de fazer tudo o que desejamos, é o elemento essencial para termos uma vida plena de realizações. É esse o ingrediente que falta em muitas pessoas que não conseguem ser bem-sucedidas nos negócios e mesmo na vida pessoal. Joseph Murphy oferece em Aumente o poder do seu subconsciente para desenvolver a autoconfiança e a autoestima (BestSeller, 240 págs, R$ 39,90) técnicas e conselhos para acabar com a falta de autoconfiança, que funcionaram para um grande número de seus leitores.
Por que há tantas pessoas que não têm confiança em si próprias? O motivo mais comum é o medo de que um fracasso que sofreram no passado venha a se repetir. Muitas deixaram a decepção dominar sua mente e se condenaram à falta de autoestima em tudo o que fazem.

Túnel de ossos (Vol. 2 A cidade dos fantasmas), da Victoria Schwab

Túnel de ossos (Galera, 252 págs, R$ 49,90) é a aguardada sequência do misterioso A cidade dos fantasmas. Os fantasmas da Escócia podem até ter ficado para trás. Mas, para Cassidy Blake, eles a seguem aonde quer que ela vá. As gravações de Os Espectores, programa de TV dos pais de Cassidy sobre os lugares mais assombrados do mundo, estão a todo vapor. Agora, após deixarem Edimburgo, a família decola para a França, em direção à cidade da luz, do romance… e dos croissants. Mas, na vida de Cass, nem tudo é o que parece ser.Com Jacob a seu lado, ela irá desbravar os segredos e mistérios escondidos, à espreita, nas esquinas, avenidas, ruelas…E nas catacumbas subterrâneas. Tudo vai — na medida do possível — muito bem, até Cass acidentalmente despertar um poltergeist, espírito cujo poder ultrapassa tudo o que ela já viu antes, causando caos e desordem por onde passa. Agora, sem deixar que seus pais descubram, ela precisará reunir determinação e coragem suficientes, além de suas ainda crescentes habilidades, se quiser escapar com vida da cidade. Mas seu tempo está acabando… rápido demais.

Sangue & mel (Vol. 2 Pássaro & serpente), da Shelby Mahurin

As apostas estão mais arriscadas. E as bruxas, com sede de vingança. Sangue & mel (Galera, 518 págs, R$ 49,90) é a sequência de best-seller do The New York Times Pássaro e serpenteApós o incidente no Modraniht, Lou, Reid, Coco e Ansel estão fugindo não apenas do coven das Dames Blanches, mas também do reino e da igreja. Eles se tornaram, agora, verdadeiros fugitivos, destituídos de um abrigo para garantir sua proteção e segurança. Para sobreviver, eles precisarão não apenas de organização e estratégia, mas, sobretudo, cúmplices. Aliados fortes. E, na companhia constante uns dos outros, um pouco de paciência. No entanto, à medida que o desespero de Lou intensifica, um lado sombrio de sua magia se manifesta com cada vez mais frequência – uma versão de seu próprio e complexo poder que pode custar a Reid algo que ele não pode jamais arriscar perder. Mas Reid, obstinado, não parece inclinado a abandonar sua promessa. Sempre leal e unido a Lou, seus votos foram incontestáveis: aonde ela for, ele irá. Até que a morte os separe.

A espada de Sharpe (Vol. 14), do Bernard Cornwell

O capitão Richard Sharpe precisa lidar com um mundo de espionagem e traição em A espada de Sharpe (Record, 350 págs, R$ 59,90), um capítulo das Guerras Napoleônicas do consagrado Bernard Cornwell. Depois de ser capturado pela companhia de Sharpe e escapar, ludibriando os soldados britânicos, Leroux ruma para Salamanca, onde almeja dar um golpe fatal no exército inimigo. Enquanto isso, ao descobrir a identidade de seu antigo cativo, Sharpe recebe a missão de garantir a segurança de El Mirador, um espião cuja rede de agentes é fundamental para a vitória britânica. Com isso, Sharpe é forçado a encarar um novo tipo de guerra, um terreno completamente novo num mundo de intriga política e militar. E, no ambiente pouco familiar que é a sociedade aristocrática espanhola, seus únicos aliados são lorde Spears, um oficial explorador das forças inglesas com uma queda por apostas, e la marquesa, uma bela mulher cheia de segredos.

BOXES

Box As crônicas de Artur (Edição de colecionador), do Bernard Cornwell

Pela primeira vez em capa dura em novo projeto gráfico As crônicas de Artur (Record, 1596 págs, R$ 199,90) estão reunidas em um box. Narrada por Derfel, um soldado que cresce dentro do exército até se tornar o melhor amigo e conselheiro de Artur, a trilogia conta uma história mais fiel do personagem, sem os exageros míticos de outras obras. Artur, na verdade, nunca foi rei. Era, sim, o filho bastardo do rei Uther, que se transformou no principal líder militar britânico no século V. Em uma Britânia conturbada, habitada por cristãos e druidas, dividida entre diferentes senhores feudais e ameaçada pela invasão dos saxões, Artur emerge como um poderoso e corajoso guerreiro capaz de inspirar lealdade e unir o país. Uma personalidade complexa, impelida por honra, dever e paixão. Artur, ao longo de séculos, transformou-se no maior de todos os heróis da literatura e num dos personagens míticos mais presentes em nosso imaginário. Mas, depois de muitas versões de suas aventuras, sua verdadeira história se perdeu nas brumas do tempo.

Box Magisterium, da Cassandra Clare e da Holly Black

Reunindo pela primeira vez os cinco livros da série, o Box Magisterium (Galera Junior, 1404 págs, R$ 179,90)  contém O desafio de ferro, A luva de cobre, A chave de bronze, A máscara de prata e A torre de ouro em edições ilustradas e com capas inéditas. Duas das maiores autoras young adults do mundo escrevendo juntas sobre um mundo repleto de magia, aventuras e reviravoltas chocantes. Cassandra Clare e Holly Black trazem vida ao Magisterium, uma escola de magia diferente de tudo que você já achou saber o universo da fantasia. A série acompanha a história de Callum Hunt e seus anos passados dentro do Magisterium, um lugar que sempre foi ensinado a temer e a odiar. Enquanto aprende mais sobre os seus poderes, Call precisa colocar à prova todo o seu conhecimento para sobreviver. Criado em colaboração pelas fantásticas mentes de Cassandra Clare e Holly Black, as autoras oferecem a você as chaves das portas do Magisterium, um universo mágico e inexplorado.