“O amante japonês”, de Isabel Allende

27/11/2015 83 visualizações

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, Allende contou para escrever O amante japonês, um romance contemporâneo, teve que voltar ao tempo e pesquisar sobre a invasão nazista da Polônia e o ataque japonês à base americana de Pearl Harbor. Ela conversou com famílias japonesas-americanas e passou tardes na Sociedade Nacional Japonesa-Americana, em São Francisco. O resultado é um romance que atravessa o século XX e muitos países.

Isabel Allende (C) Lori Barra (3)

Na história, Irina Bazili acaba de ser contratada para trabalhar em Lark House, uma casa de repouso da terceira idade na periferia de Berkeley, Califórnia. Lá, conhece a altiva Alma Belasco, uma senhora de porte aristocrático, e o simpático Seth, seu neto preferido. Contra todas as expectativas, Irina se sente acolhida por eles. Aos poucos, para satisfazer a curiosidade de Irina e Seth, Alma revela informações sobre seu passado e sobre uma paixão que alimentou secretamente por muitas e muitas décadas. Cartas misteriosas encontradas pelos dois jovens trazem à tona outras passagens da vida da protagonista. Seguindo os passos de Alma, de sua família e amigos, a trama de O amante japonês atravessa momentos marcantes da história e percorre diferentes países.

A trajetória da protagonista começa em 1939, ano em que os nazistas ocupam a Polônia. Ainda criança, Alma é enviada pelos pais aos Estados Unidos, onde poderá viver em segurança na mansão dos tios. Lá, com o mundo em guerra, ela conhece Ichimei Fukuda, filho do jardineiro japonês da família. Aquele é o início de uma longa relação de amor e amizade, cruelmente abalada após os ataques à base de Pearl Harbor, quando japoneses passaram a ser considerados potenciais inimigos da América. Alma e Ichimei voltariam a se encontrar muitas vezes depois disso, mas seus sentimentos precisariam permanecer em segredo.

Leia o primeiro capítulo aqui.

 

ISABEL ALLENDE nasceu em 1942, no Peru, onde seu pai era diplomata. Viveu no Chile entre 1945 e 1975, na Venezuela até 1988 e, a partir de então, na Califórnia. Começou a carreira como jornalista. Em 1982, A Casa dos Espíritos, seu primeiro romance, tornou-se um dos títulos míticos da literatura latino-americanas — e a ele se seguiram muitos outros. Seus livros já foram traduzidos para 35 idiomas. Recebeu o Prêmio Nacional de Literatura em 2010, no Chile, e o Prêmio Hans Christian Andersen em 2012, pela série As Aventuras da Águia e do Jaguar. O Amante Japonês é seu vigésimo segundo livro publicado pela Bertrand Brasil. Para saber mais, acesse www.isabelallende.com.