Cemitério de elefantes

Autor(es): Dalton Trevisan
Editora: Record
  • Brochura R$47,90

R$47,90

171 em estoque

Calcular Frete
Forma de Envio Custo Estimado Tempo de Entrega
Compartilhe:

Sinopse

Bêbados em bares e parques, miseráveis e infelizes, velhos jornais dobrados nos bolsos, moças muito brancas a um passo da morte ou um passo atrás do prazer, tipos tristes, solitários, amores escondidos, ruas vazias, chuva fina. Gordos ou magros demais, sujos e doentes, angustiados, perdidos ou querendo se perder. Assim são os personagens de Dalton Trevisan, curitibano de 76 anos que é um dos mais importantes escritores brasileiros vivos, um mestre do conto curto, seco, cortante como o vento frio de Curitiba, cenário de seus personagens. É por suas ruas que andam, ou se arrastam, os elefantes do mercado de peixe, Dinorá, a moça do prazer, a gorda Carlota e sua filha Lili, Dorinha fraca do coração.Personagens comuns, em histórias onde não há grandes tragédias nem sujeitos excepcionais, como diz Fausto Cunha na apresentação deste Cemitério dos Elefantes, e que recomenda ao leitor: “Não se preocupe com as histórias. Se elas não terminarem, é porque os personagens regressaram à sua vida normal, ou Dalton não quis acompanhá-los por mais tempo. Todos eles estão vivos, a distância entre as páginas deste livro e a realidade é menor do que entre uma rua e outra.”Cenário de suas histórias, Curitiba é também a caverna de ermitão do próprio Dalton, que estreou em 1945 com Serenata ao luar, que ele renega, assim como Sete anos de pastor, publicado no ano seguinte. Entre 1946 e 1948, editou a revista Joaquim, que trazia artigos de intelectuais como Antônio Cândido, Mário de Andrade e Otto Maria Carpeaux, traduções de Joyce, Proust e Sartre. Em 1959 lançou Novelas nada exemplares, ganhador do Prêmio Jabuti (assim como Cemitério dos Elefantes), que o autor não foi receber, dando início ao mito do recluso que não se deixa fotografar, não sai de Curitiba, não atende ao telefone, comunicando-se com o mundo por meio de bilhetes assinados apenas “D. Trevis”. Fama que transformou em apelido o título de um de seus livros, O vampiro de Curitiba, e que ele alimenta, como no texto que costumava dar aos jornalistas em busca de entrevista: “O vampiro detesta as pessoas que não conhece. Não se acha figura difícil, esbarra diariamente consigo em todas as esquinas de Curitiba.”É autor de 34 livros, foi traduzido para o espanhol, o inglês, o holandês, o polonês, o sueco e o dinamarquês, e teve seu A guerra conjugal adaptado para o cinema por Joaquim Pedro de Andrade em 1975.

Sobre o autor

Dalton Trevisan
Dalton Trevisan

No dia 14 de junho de 1925, nasce Dalton Trevisan. Em Curitiba, é claro. A mesma Curitiba em que cresce e ganha a fama de “vampiro”. A mesma Curitiba que eternizou em tantos contos — e que, justamente por isso, tem com ele um débito eterno. A mesma Curitiba cheia de mistérios. O próprio escritor é um deles: para se conceber um histórico de Trevisan, é preciso a habilidade das cerzideiras, cosendo retalhos aqui e ali, em uma ou outra reportagem, nas antigas e raras entrevistas. Formado em Direito, exerceu a função de repórter policial e crítico de cinema. Um acidente com o forno de uma olaria, em 1945, quase lhe tira a vida. Trevisan foi internado com fratura de crânio, mas se recuperou para editar, a partir do ano seguinte, a revista Joaquim, que duraria até 1949. Em 1950, o escritor vai para a Europa. Casa-se em 1953, tornando-se pai de duas filhas. Escondeu-se no anonimato para vencer um concurso de contos no Paraná, em 1968. Gosta de filmes de bangue-bangue e de passear pelas ruas da capital paranaense. Já teve livros traduzidos para diversos idiomas, como o inglês, o espanhol e o italiano. Na Hungria, alguns de seus contos inspiraram uma série de TV. No Brasil, alguns textos foram adaptados para o cinema e a TV. Seus livros são editados pela Record desde 1978. Durante anos, seus livros ganharam identidade visual criada pelo artista gráfico Poty. Depois, a parceria mudou: figuras em nanquim do dadaísta alemão George Grosz, resgatadas da Berlim do tempo da república Weimar, dão o tom apocalíptico que os escritos de Trevisan foram assumindo.

Características

  • ISBN: 978-85-01-01653-9
  • Formato: Brochura
  • Suporte: Texto
  • Altura: 21cm
  • Largura: 14cm
  • Profundidade: 0.8cm
  • Lançamento: 01-07-1980
  • Páginas: 128