Oferta!
 

Dias perdidos

  • Brochura R$94,90

R$94,90 R$80,60

Fora de estoque

Fora de estoque

Compartilhe:

Sinopse

Em Dias perdidos, não é apenas da morbidez oculta de suas personagens que o autor faz depender a duração do argumento ou a tessitura do espaço ficcional. Como é possível notar, à parte a complexidade de personagens como Clara e Sílvio, que se contrapõem, por exemplo, à linearidade de Áurea e Jaques, o corte realista do romance devassa a indefinição interior de seus caracteres e os aproxima, por vezes liricamente, de um contexto em que o desfecho é previsível e o passado serve de lição. Como o leitor verá, o traçado desta obra não nos remete pesadelo interminável que caracteriza suas obras posteriores. Muito ao contrário: a concepção de suas personagens, mais que do mergulho ao mistério, nasce da experiência autobiográfica do autor, como o confirmam as memórias de sua irmã, Maria Helena Cardoso. Cheia de pistas e de alusões reveladoras, elas nos mostram, por exemplo, que o Jaques deste romance, com sua vida erradia e sempre aberta às incertezas da aventura, bem pode ser uma reconstrução literária de Joaquim Cardoso, pai do romancista, também ele um espírito mutante e visionário na trajetória de suas múltiplas andanças. Assim, o realismo de sua atmosfera é antes o realismo da vida simples e limitada, cheia de tédio e de monotonia, não o da Vila Velha do romance, mas o da própria Curvelo, onde o autor conviveu com a singeleza, mas também com a violência e a frustração.

Sobre o autor

Lúcio Cardoso
Lúcio Cardoso

Lúcio Cardoso nasceu em Minas Gerais, em 1913. Mais tarde, fixou residência no Rio de Janeiro, onde começou as suas primeiras experiências literárias. Além de editar duas revistas, A bruxa e Sua revista, escrevia poesias, peças de teatro e contos. Seu primeiro romance, Maleita, foi publicado em 1934. Incentivado pela crítica, investiu em uma prolífica carreira de escritor, que resultou em romances como A luz no subsolo, Dias perdidos, O anfiteatro, O enfeitiçado, além de sua obra-prima Crônica da casa assassinada. Em 1962, em pleno vigor criativo, Lúcio sofreu um derrame que o deixou incapaz de escrever. Morreu em 1968, após um segundo derrame.

Características

  • ISBN: 978-85-200-0630-6
  • Formato: Brochura
  • Suporte: Texto
  • Altura: 23cm
  • Largura: 16cm
  • Profundidade: 2cm
  • Lançamento: 07-06-2006
  • Páginas: 406
Gêneros: