Foto Dicionário da antiguidade africana
Foto Dicionário da antiguidade africana
Capa Dicionário da antiguidade africana
4ª capa Dicionário da Antiguidade Africana
 

Dicionário da antiguidade africana

Selecione o formato

R$109,90

10 em estoque

Calcular Frete
Forma de Envio Custo Estimado Tempo de Entrega
Compartilhe:

Sinopse

O Dicionário da antiguidade africana, de Nei Lopes, preenche de forma acessível, clara e concisa uma lacuna da historiografia nacional. Em verbetes, o poeta, contista e ensaísta Nei Lopes apresenta conceitos segundo uma perspectiva africana. Ele ressalta a anterioridade das civilizações egípcia e cuxita sobre a greco-latina e revisa axiomas que definem termos como civilização, escrita e outros tópicos decisivos. Unindo talento artístico, erudição e articulação política, o autor revela um passado muito pouco ou quase nada visitado. Uma nova África se desenha, com traços fortes e vários matizes: antropologia, geografia, cultura e, até mesmo, filosofia. Uma carta de alforria para a escravidão cultural que entrava a compreensão de nossa realidade. Poucas obras analisam de maneira independente e isenta as sociedades africanas florescidas e desenvolvidas a partir do século VII. “Num momento em que as publicações acadêmicas ainda abordam a África preferencialmente por meio de suas relações com a Europa, no contexto da escravidão. Tomamos para nós, de acordo com nossas possibilidades, a tarefa de difundir parte deste conhecimento, apresentando-o segundo uma perspectiva africana”, explica Nei Lopes. É inegável a contribuição dos negros na formação da sociedade brasileira e sua influência na cultura e política. A importância é tanta que desde 2003 o ensino de história e cultura afro-brasileira é obrigatório nas escolas de todo o país. Mas o estudo da história africana esbarra em um muro aparentemente intransponível, formado por tronco e chibata.

Sobre o autor

Foto de Nei Lopes
Nei Lopes

Nei Lopes nasceu em 1942, no subúrbio carioca de Irajá.
Ex-advogado, destacou-se como compositor de música popular e depois como escritor, notadamente com os romances Rio Negro, 50 e O preto que falava iídiche, e os contos de Nas águas desta baía há muito tempo, todos pela Editora Record. Assim, vem acumulando publicações e premiações, como o 58º Prêmio Jabuti nas categorias Melhor Livro de Não Ficção e Livro do Ano, conquistado com o Dicionário da História Social do Samba (Civilização Brasileira), coautoria de Luiz Antonio Simas. Em 2017, por sua “relevância sociocultural”, recebeu o título de doutor honoris causa concedido pela UFRGS.

Características

  • ISBN: 978-85-200-1053-2
  • Formato: Brochura
  • Suporte: Texto
  • Altura: 23cm
  • Largura: 16cm
  • Profundidade: 1.9cm
  • Lançamento: 20-04-2011
  • Páginas: 350