Mistérios de Curitiba

Autor(es): Dalton Trevisan
Editora: Record
  • Brochura R$47,90

R$47,90

175 em estoque

Calcular Frete
Forma de Envio Custo Estimado Tempo de Entrega
Compartilhe:

Sinopse

Neste livro de contos, o curitibano Dalton Trevisan retrata os pequenos dramas e personagens de sua cidade atingindo, de forma contundente, os homens de qualquer lugar do mundo

Os mistérios acontecem em Curitiba — também recriada pelos dons poéticos do autor —, uma cidade vista pelos olhos de um sujeito que é mais sensível que a maioria de seus concidadãos para descobrir coisas que eles não veem, mas seus olhos enxergam, atravessando paredes e muros.
Nesta narrativa todo homem se chama João e toda mulher se chama Maria. O velha estória dos irmãos, não somente feita de amor, mas de frustrações, porque aí é que está a coisa: cada um de nós é um João ou uma Maria, aqui não apenas amando, mas sobretudo enganados, por tantos motivos mil, pelas ilusões do amor. Dalton Trevisan tece variações inúmeras em torno dum tema só (e haverá tema mais importante que este?), às vezes impiedosamente, mas sempre com senso de humor difícil de conseguir (e ele consegue) no tratamento de coisa tão séria, tão fundamental.

Sobre o autor

Dalton Trevisan
Dalton Trevisan

No dia 14 de junho de 1925, nasce Dalton Trevisan. Em Curitiba, é claro. A mesma Curitiba em que cresce e ganha a fama de “vampiro”. A mesma Curitiba que eternizou em tantos contos — e que, justamente por isso, tem com ele um débito eterno. A mesma Curitiba cheia de mistérios. O próprio escritor é um deles: para se conceber um histórico de Trevisan, é preciso a habilidade das cerzideiras, cosendo retalhos aqui e ali, em uma ou outra reportagem, nas antigas e raras entrevistas. Formado em Direito, exerceu a função de repórter policial e crítico de cinema. Um acidente com o forno de uma olaria, em 1945, quase lhe tira a vida. Trevisan foi internado com fratura de crânio, mas se recuperou para editar, a partir do ano seguinte, a revista Joaquim, que duraria até 1949. Em 1950, o escritor vai para a Europa. Casa-se em 1953, tornando-se pai de duas filhas. Escondeu-se no anonimato para vencer um concurso de contos no Paraná, em 1968. Gosta de filmes de bangue-bangue e de passear pelas ruas da capital paranaense. Já teve livros traduzidos para diversos idiomas, como o inglês, o espanhol e o italiano. Na Hungria, alguns de seus contos inspiraram uma série de TV. No Brasil, alguns textos foram adaptados para o cinema e a TV. Seus livros são editados pela Record desde 1978. Durante anos, seus livros ganharam identidade visual criada pelo artista gráfico Poty. Depois, a parceria mudou: figuras em nanquim do dadaísta alemão George Grosz, resgatadas da Berlim do tempo da república Weimar, dão o tom apocalíptico que os escritos de Trevisan foram assumindo.

Características

  • ISBN: 978-85-01-01440-5
  • Formato: Brochura
  • Suporte: Texto
  • Altura: 21cm
  • Largura: 14cm
  • Profundidade: 0.9cm
  • Lançamento: 01-03-1979
  • Páginas: 142