Outono de carne estranha

Autor(es): Airton Souza
Editora: Record
Coleção: Prêmio Sesc
  • Brochura R$54,90

R$54,90

Compartilhe:


Sinopse

Romance vencedor do Prêmio Sesc 2023, Outono de carne estranha nos convida a mergulhar nas lamas de Serra Pelada, combinando as memórias do garimpo e a ficção. Com sua escrita sensível e perfurante, Airton Souza conta a história de amor entre os garimpeiros Zuza e Manel, em um território de embrutecimento dos homens e da terra.

 

Outono de carne estranha, do paraense Airton Souza, se passa no contexto da famosa e trágica Serra Pelada, o maior garimpo a céu aberto do mundo, explorada por milhares de homens na década de 1980. Nessa terra fragmentada pelas enxadas, marcada pela ganância e pela violência, o romance mescla fatos históricos e ficção para contar a história de Zuza e Manel, dois garimpeiros que se apaixonam, e Zacarias, um padre angustiado diante da própria batina. Os três protagonistas tentam, a todo custo, bamburrar: encontrar uma grande quantidade de ouro e, assim, ganhar a vida.

A escrita de Airton fala as línguas do norte e do garimpo para adentrar um pedaço da história brasileira que, até hoje, pouco foi abordado pela literatura – Serra Pelada. A terra úmida, os desabamentos e o cheiro do garimpo são cenário de uma história em que talvez já não existam fronteiras entre o sagrado e o profano, entre a morte e o erotismo – constantes dualismos enfrentados pelos personagens. Apesar de a obsessão pelo ouro e a truculência dos que comandam o garimpo criarem uma atmosfera violenta, assassina e solitária, a ternura narrativa abraça seus personagens para que, de algum modo, escapem à asfixia da repressão, permitindo que amem e sejam amados. Não é à toa que, para os escritores Joca Reiners Terron e Suzana Vargas, que assinam a orelha do livro, a paixão entre Zuza e Manel representa “o amor que encarna a peleja de existir em meio a um grupo moralmente doente, seja pela ambição ou pelo fanatismo”.

 

Outono de carne estranha é um épico minimalista sobre o sonho do ouro em Serra Pelada, antigo garimpo no sudeste do Pará, sobre a homoafetividade em território inóspito e a violência decorrente disso, com protagonistas comoventes e um lirismo à flor da pele coberta de suor e lama.” – Joca Reiners Terron e Suzana Vargas

Sobre o autor

Airton Souza
Airton Souza

Airton Souza (Marabá/PA, 1982) é poeta, professor e pesquisador. Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia da Universidade Federal do Pará, também se tornou mestre em Letras na Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará. Já publicou 47 livros. Idealizou e coordena importantes projetos ligados ao livro, à leitura, às bibliotecas e às literaturas nas Amazônias, entre eles o Anuário da Poesia Paraense e o Prêmio Amazônia de Literatura. Venceu mais de cem prêmios literários, entre os quais os da União Brasileira de Escritores do Rio de Janeiro, da Academia Paraense de Letras, da Imprensa Oficial do Estado do Pará, da Fundação Cultural do Pará, o III Prêmio Ufes de Literatura e o Prêmio Literário Cidade de Manaus 2022, com o livro de poemas Horóscopo de batizar brumas contra a solidão das asas. Sua poesia já foi traduzida para o espanhol, o inglês e o alemão. É presidente de honra da Associação dos Escritores do Sul e Sudeste do Pará.

Características

  • ISBN: 978-65-5587-789-2
  • Formato: Brochura
  • Altura: 20.5cm
  • Largura: 13.5cm
  • Profundidade: 0.9cm
  • Lançamento: 13-11-2023
  • Páginas: 176