Querido assassino

Autor(es): Dalton Trevisan
Editora: Record
  • Brochura R$47,90

R$47,90

254 em estoque

Calcular Frete
Forma de Envio Custo Estimado Tempo de Entrega
Compartilhe:

Sinopse

O vampiro de Curitiba ficou na saudade. Já não precisa mais ficar parado na esquina, mão no bolso, escondendo a pata cabeluda do lobisomem, esperando o beijo da virgem, mordida de taturana. Dalton Trevisan já o pendurou no armário, ao lado do calendário de santinhos. E partiu, aventuroso poeta dos dramas minúsculos/ maiúsculos da cidade. À revelação arrebatadora dos seus novos e riquíssimos personagens, sempre iguais na aparência, sempre diferentes na essência. O que aparece também neste Querido assassino é uma nova surpresa de um escritor cada vez melhor, reservada, sobretudo àqueles que se cristalizaram na facilidade de, lendo mal, achar que a verdade se ajusta ao lugar-comum da incompetência: “Mas ele escreve sempre o mesmo livro!” Erotismo pânico – como bem escreveu M. Cavalcanti Proença – moral anárquica, humor impiedoso, Dalton junta mais 16 contos à sua obra, 16 pérolas engastadas na joia com as iniciais D.T. gravadas. Triângulos amorosos, adultérios, seduções, assassinatos, espancamentos, estupros. Amor e ódio. O mundo de Dalton. Violência e Kitsch, denúncia e chanchada: Querido assassino fascina o leitor como aquele broche de madrepérola no decote de veludo. Com seu estilo guerrilheiro de diálogos certeiros, de elipses alucinantes, de imagens inesperadas que visam à razão e à emoção dos leitores, esses pobres fantoches manipulados pelo mefistofélico e mirabolante autor. Com tais artes e mágicas, para que Dalton precisa ainda de um velho vampiro?

Sobre o autor

Dalton Trevisan
Dalton Trevisan

No dia 14 de junho de 1925, nasce Dalton Trevisan. Em Curitiba, é claro. A mesma Curitiba em que cresce e ganha a fama de “vampiro”. A mesma Curitiba que eternizou em tantos contos — e que, justamente por isso, tem com ele um débito eterno. A mesma Curitiba cheia de mistérios. O próprio escritor é um deles: para se conceber um histórico de Trevisan, é preciso a habilidade das cerzideiras, cosendo retalhos aqui e ali, em uma ou outra reportagem, nas antigas e raras entrevistas. Formado em Direito, exerceu a função de repórter policial e crítico de cinema. Um acidente com o forno de uma olaria, em 1945, quase lhe tira a vida. Trevisan foi internado com fratura de crânio, mas se recuperou para editar, a partir do ano seguinte, a revista Joaquim, que duraria até 1949. Em 1950, o escritor vai para a Europa. Casa-se em 1953, tornando-se pai de duas filhas. Escondeu-se no anonimato para vencer um concurso de contos no Paraná, em 1968. Gosta de filmes de bangue-bangue e de passear pelas ruas da capital paranaense. Já teve livros traduzidos para diversos idiomas, como o inglês, o espanhol e o italiano. Na Hungria, alguns de seus contos inspiraram uma série de TV. No Brasil, alguns textos foram adaptados para o cinema e a TV. Seus livros são editados pela Record desde 1978. Durante anos, seus livros ganharam identidade visual criada pelo artista gráfico Poty. Depois, a parceria mudou: figuras em nanquim do dadaísta alemão George Grosz, resgatadas da Berlim do tempo da república Weimar, dão o tom apocalíptico que os escritos de Trevisan foram assumindo.

Características

  • ISBN: 978-85-01-02335-3
  • Formato: Brochura
  • Suporte: Texto
  • Altura: 21cm
  • Largura: 14cm
  • Profundidade: 1cm
  • Lançamento: 01-10-1983
  • Páginas: 158