Rei Revés

Editora: Record
  • Brochura R$49,90

R$49,90

Em estoque

Compartilhe:


Sinopse

Em uma costura de referências literárias clássicas e experimentação narrativa contemporânea já características da prosa poética de Evandro Affonso Ferreira, Rei Revés desvela a tragédia de um governante aprisionado que sofre a perda de um filho.

Do texto de Leo Lama para a orelha do livro: “Diante de seus olhos, leitor, um volume que invade despudoradamente o mítico. […] Nestas páginas, evocados como juízes, mestres, testemunhas do ápice da dor humana, estão os tragediógrafos misturados aos deuses, às gentes, aos anjos, aos pássaros. Não há trégua. Não há permissão para o banal. A tragédia é implacável e está para purgar, não para tecer as rocas efêmeras do psicológico, do mundano. O coro é a própria narrativa que se investiga e se contradiz, afirmando a perplexidade. Sofre o narrador, que não encontra jeito de contar a história. Tudo ostenta o fim em travessia que não é possível terminar.

“Rei Revés, de Evandro Affonso Ferreira, é um livro que transita pelo premente do trágico. Aquilo que está para todos, sem distinção. Não há lados, partidos, ideologias ou preocupações biográficas. Nestas partituras, o sofrimento de um governante encarcerado, que acabou de perder o filho de seu filho, é pauta de inspiração angustiada, e vai muito além do interesse político ou factual. Lá, no metafísico tremular da flâmula, onde só os anuns penetram, está o ritmo dessa catástrofe.

“Em um cenário de natureza íntima, o crepúsculo do mito de uma nação é reinventado pelas mãos do exímio artífice da generosa literatura. Um diálogo arrebatador com a fragilidade da existência, com a vida e suas mortes e, claro, com os criadores da poesia.”

Sobre o autor

Evandro Affonso Ferreira
Evandro Affonso Ferreira

Mineiro de Araxá, radicado em São Paulo há 40 anos, Evandro Affonso Ferreira surgiu na literatura em 2000 – apresentado por José Paulo Paes. Participou de uma coletânea de contos em Portugal (Editora Cotovia), organizada por Alcir Pécora. É autor, entre outros, de Minha mãe se matou sem dizer adeus (Prêmio APCA de melhor romance de 2010, finalista do Prêmio São Paulo de Literatura 2011 e do Jabuti 2011), O mendigo que sabia de cor os adágios de Erasmo de Rotterdam (Prêmio Jabuti 2013) e Nunca houve tanto fim como agora (Prêmio APCA de melhor romance de 2017 e Prêmio Machado de Assis – Biblioteca Nacional 2018), todos pela Editora Record.

Características

  • ISBN: 978-85-01-11861-5
  • Formato: Brochura
  • Suporte: Texto
  • Altura: 21cm
  • Largura: 13.5cm
  • Profundidade: 0.7cm
  • Lançamento: 25-01-2021
  • Páginas: 128
Gêneros: