Storytelling 2: A bomba embaixo da mesa

Autor(es): Adilson Xavier
Editora: Best Business
  • Brochura R$59,90

R$59,90

Compartilhe:


Sinopse

A bomba embaixo da mesa, sequência do sucesso Storytelling, traz novas reflexões sobre a confusão entre realidade e ficção e a influência da tecnologia na narrativa.

 

Sem conflito não há história. Aristóteles sabia disso tanto quanto os roteiristas dos filmes e séries que vemos na Netflix. As obras literárias e audiovisuais citadas neste A bomba embaixo da mesa, caminhando lado a lado com os relatos históricos e jornalísticos, não deixam dúvidas sobre a importância do conflito e se apresentam como uma espécie de curadoria temática, lista premium a ser degustada posteriormente pelo leitor.

O ponto principal do livro é a inédita participação do público no desenrolar da história após o advento da internet, com níveis de poder e vulnerabilidade jamais vistos, uma gigantesca plateia mundial sujeita a decisões tomadas por algoritmos, exposta aos estratagemas de manipuladores sem freios, encantada com a sensação de protagonismo, e muito disposta a opinar e brigar. Como destaca o autor: “Conhecemos bem as narrativas de gente lutando para sobreviver ou conquistar algum sonho nas mais variadas épocas e circunstâncias. Chegou a hora de irmos além, atravessando o pano de fundo que serve às histórias, para alcançar um outro, onde estão as pessoas a quem as histórias são contadas.”

O livro trata dos conflitos basilares da história e das estórias, desde o ancestral bem x mal até o recente real x virtual, passando pelos clássicos Deus x Diabo, ricos x pobres, masculino x feminino e esquerda x direita, entre outros. Mostra o quanto realidade e ficção se confundem e se influenciam reciprocamente, e o quanto as novas tecnologias contribuem para embaralhar tudo. Em suas páginas, convivem a Arca de Noé e o Titanic, políticos como Zelensky, Putin, Trump, Bolsonaro, Mandela e Lula, personagens como Batman, Coringa, Robin Hood e Cinderela, líderes como Papa Francisco, Joana d’Arc e Greta Thunberg, marcas como Nike, Coca-Cola, Burger King e outras que foram em maior ou menor grau empurradas para o debate ideológico, eventos históricos como as revoluções francesa e russa, as cruzadas e a invasão do Capitólio, além de escritores, cineastas, publicitários, comunicadores e artistas em geral que nos ajudam a enxergar na escuridão.

Trecho do livro: “No lançamento de Storytelling: histórias que deixam marcas, em 2015, eu julgava não ter mais nada a dizer sobre o tema. Dentro do estilo adotado e dos territórios que me propus a percorrer, a missão estava cumprida.

Não contava com a reviravolta narrativa que viria logo depois. O mundo foi invadido por fake news. Personagens caricatos e inverossímeis ganharam destaque na vida real, com roteiros mais impactantes do que os concebidos por especialistas. Alguns desses roteiros desafiavam abertamente a plausibilidade, logo essa qualidade tão indispensável às boas histórias; outros, de tão ruins, jamais seriam aprovados por storytellers de verdade.

Esse descarrilamento roteirístico me motivou a investigar, refletir e retornar ao teclado. Mergulhei em águas mais turvas, colocando lado a lado os fatos e suas narrativas, registrando a mistura de realidade e ficção, verificando como as cabeças criativas captam a essência do momento histórico, tanto para descrevê-lo quanto para interpretá-lo, tentar corrigi-lo ou prevenir catástrofes.”

Sobre o autor

Adilson Xavier

Adilson Xavier é escritor, criador publicitário e roteirista. Durante mais de dez anos, foi membro do Board Mundial de agências do grupo FCB, além de ter atuado no Brasil como CEO da DRAFTFCB por cinco anos e dirigido equipes internacionais de criação em Chicago, Londres e Madri.
Das centenas de prêmios nacionais e internacionais destacam-se, em 1993, o de “Redator do Ano” pela Associação Brasileira de Propaganda e, em 2002, “Melhor Profi ssional de Criação do Brasil”, pelo Prêmio Caboré (jornal Meio & Mensagem). Ainda em 2002, foi eleito “Publicitário do Ano” pela Associação Brasileira de Propaganda. Foi também “Publicitário do Ano” em 2004, dessa vez pelo Prêmio Colunistas.
Presidente da Associação Brasileira de Propaganda (ABP) de 2005 a 2007, Adilson segue como um de seus diretores até hoje. Em março de 2013, entrou para o Hall da Fama do Clube de Criação do Rio de Janeiro.
No final de 2007 iniciou sua trajetória literária, lançando O Deus da criação — Uma visão teológico-
-criativa religiosamente publicitária. Em junho de 2010 lançou seu primeiro romance, E. O atirador de
ideias, e, no final de 2012, seu segundo romance, Sobrevoando Babel.
Atualmente, Adilson é CEO da Zola, produtora audiovisual de entretenimento e propaganda para todas as telas.

Características

  • ISBN: 978-65-5670-011-3
  • Formato: Brochura
  • Suporte: Texto
  • Altura: 22.5cm
  • Largura: 15.5cm
  • Profundidade: 1.8cm
  • Lançamento: 05-02-2022
  • Páginas: 322