Taís Araújo conversa sobre racismo e tudo que aprendeu em “Marcados”

20/04/2021 529 visualizações

Em um dia histórico na luta contra o racismo – quando, por unanimidade o ex-policial branco Derek Chauvin é declarado culpado pela morte de George Floyd, morto asfixiado em maio de 2020 na cidade de Minneapolis, nos Estados Unidos – Taís Araújo conversa sobre o racismo, suas origens e o presente em live no Instagram do Grupo Editorial Record (@grupoeditorialrecord).

A atriz assina a orelha de Marcados – Racismo, antirracismo e vocês, o lançamento da Galera sobre as origens do racismo nos Estados Unidos e como fazer para destruí-lo. A obra de Ibram X. Kendi e Jason Reynolds é uma emocionante e envolvente narrativa que demonstra as várias e distintas formas de racismo presentes no dia a dia, além de quais estratégias você pode, e deve, adotar para identificar e eliminar os pensamentos e posturas racistas. Marcados (Galera) percorre a história do racismo, desde o primeiro racista, e cada presidente do país, expondo como diversas narrativas políticas, literárias e filosóficas ao longo do tempo foram utilizadas com a finalidade de justificar a opressão em massa, a escravidão e o genocídio de pessoas negras.

A pré-venda está disponível aqui.

A construção das raças sempre foi utilizada como estratégia para obter e manter o poder, para criar dinâmicas que, ao mesmo tempo, oprimem, separam e silenciam. Os argumentos racistas são tecidos e, a partir de então, disseminados ao longo de todo o país, e o primeiro passo para que seja possível construir uma sociedade norteamericana antirracista é, acima de tudo, conhecendo profundamente o passado e o presente racistas dos Estados Unidos. Como definiu Taís Araújo, conhecer o passado é conhecer o presente, é se conhecer.

Para conferir a live na íntegra clique aqui.