A passo de caranguejo

Guerras quentes e o populismo da mídia

Autor(es): Umberto Eco
Editora: Record
  • Brochura R$79,90

R$79,90

Compartilhe:


Sinopse

A passo de caranguejo reúne escritos de Umberto Eco sobre os eventos políticos e midiáticos que influenciaram o mundo no começo do século XXI.

 

Os textos deste A passo de caranguejo explicitam as mudanças dramáticas que ocorreram na política mundial desde o final do último milênio. Terminada a Guerra Fria, os conflitos no Afeganistão e no Iraque trouxeram a volta da guerra combatida ou guerra quente;iniciou-se uma nova temporada de “cruzadas”, com o choque entre Islã e cristandade;reapareceram os fundamentalismos cristãos que pareciam pertencer à crônica do século XIX, com a retomada da polêmica antidarwinista;ressurgiu (ainda que sob a forma demográfica e econômica) o fantasma do Perigo Amarelo;o antissemitismo voltou triunfante;e neofascistas tomaram o poder em vários países.

O que nos levou a essa era de guerras quentes e populismo da mídia, e de que forma isso foi vendido como progresso? Eco discute tópicos como racismo, mitologia, retórica, União Europeia, Oriente Médio, tecnologia, o 11 de setembro, heranças medievais, propagandas de televisão, globalização, Harry Potter, antissemitismo, lógica, a Torre de Babel, fundamentalismos, O Código da Vinci, pensamento mágico etc. O autor nos mostra seu lado mais apegado ao cotidiano e, ao mesmo tempo, engajado: um intelectual envolvido em eventos tanto locais quanto globais, e um homem preocupado com política, educação, ética e com os rumos que a humanidade vem tomando.

Os tempos são sombrios, os costumes são corruptos e até o direito à crítica é sufocado por formas de censura ou pela fúria popular. Parece que a história, frenética com os saltos dados nos dois milênios anteriores, andou para trás, marchando rapidamente a passo de caranguejo. Este livro se propõe não tanto a avançar, mas a interromper, pelo menos um pouco, esse movimento retrógrado.

 

“Muitos fenômenos de passo retrógrafo vão emergir dos artigos deste livro, o bastante, enfim, para justificar o título. Mas sem dúvida alguma coisa nova, ao menos no nosso país, aconteceu;algo que ainda não tinha acontecido: a instauração de uma forma de governo baseada no apelo populista pela mídia, perpetrado por uma empresa privada voltada para o próprio interesse privado — experimento certamente novo, ao menos no cenário europeu, e muito mais esperto e tecnologicamente aguerrido do que os populismos do Terceiro Mundo.

A este tema são dedicados muitos destes escritos, nascidos da preocupação e da indignação desse Novo que Avança, o qual (ao menos enquanto eu mando imprimir estas linhas) não se sabe se será possível deter.”

Sobre o autor

Umberto Eco

Umberto Eco (Alexandria, 1932 − Milão, 2016) foi filósofo, medievalista, semiólogo, crítico literário e midiólogo. Estreou na ficção narrativa com O nome da rosa, seguido de O pêndulo de Foucault, A ilha do dia anterior, Baudolino, A misteriosa chama da rainha Loana, O cemitério de Praga e Número zero. Entre suas numerosas obras ensaísticas (acadêmicas ou não), recordamos: Tratado de semiótica geral, Os limites da interpretação, Kant e o ornitorrinco, Da árvore ao labirinto, Quase a mesma coisa e A definição da arte. Publicou os volumes ilustrados História da beleza, História da feiura, Vertigem das listas e História das terras e lugares lendários. Reconhecido como um dos mais importantes escritores e pensadores dos últimos tempos, grande parte da sua obra se encontra publicada no Brasil pela Editora Record.

Características

  • ISBN: 978-85-01-07682-3
  • Título Original: A passo di gambero
  • Tradutor: Sérgio Mauro
  • Formato: Brochura
  • Suporte: Texto
  • Altura: 22.5cm
  • Largura: 15.5cm
  • Profundidade: 2.2cm
  • Lançamento: 14-02-2022
  • Páginas: 406